O que é Transtorno Explosivo Intermitente?

Resiliência Humana

O Transtorno Explosivo Intermitente envolve episódios repetidos de impulsividade nos quais o comportamento é agressivo, violento ou irritado. Podem ser explosões verbais em que você reage agressiva e desproporcionalmente à situação. Brigas no trânsito, violência doméstica, jogar ou quebrar objetos, ou outros comportamentos agressivos podem ser sinais de Transtorno Explosivo Intermitente.

Pessoas com Transtorno Explosivo Intermitente podem agredir outras pessoas ou a propriedade alheia, causando lesões corporais e danos materiais. Eles também podem se ferir durante uma explosão. Em seguida, as pessoas com transtorno explosivo intermitente costumam se arrepende, sentir, remorso ou constrangimento.

Para que é corretamente diagnosticado com Transtorno Explosivo Intermitente, o tratamento pode envolver medicamentos e psicoterapia para a controlar os impulsos agressivos.

Sintomas

Erupções explosivas, geralmente com duração inferior a 30 minutos e que, muitas vezes, resultam em agressões verbais, ferimentos e destruição deliberada de propriedade aleia. Estes episódios podem ocorrer seguidamente ou estarem separados por semanas ou meses de comportamento não-agressivo. Entre os episódios de explosões explosivas, a pessoa pode mostrar-se irritável, impulsivo, agressivo ou bravo.

Episódios agressivos pode ser precedido ou acompanhado de:

Irritabilidade
Aumento da energia
Raiva
Pensamentos acelerados
Parestesias (formigamento)
Tremores
Taquicardia
Aperto no peito
Sensação de pressão na cabeça

Causas

A causa exata do Transtorno Explosiva Intermitente é desconhecida, mas o transtorno é provavelmente causado por uma série de fatores ambientais e biológicos.

Meio Ambiente. A maioria das pessoas com este transtorno cresceram em famílias onde o comportamento explosivo e abuso verbal e físico eram comuns. Estar exposto a este tipo de violência em uma idade precoce torna mais provável que essas crianças apresentam esses mesmos traços à medida que amadurecem.

Genética. Pode haver um componente genético, fazendo com que a doença seja passada de pais para filhos.

Química cerebral. Pode haver diferenças na maneira como a serotonina, um importante mensageiro químico no cérebro, funciona em pessoas com Transtorno Explosivo Intermitente.

Pessoas com outros transtornos mentais – tais como transtornos de ansiedade, humor ou de personalidade – ou determinadas condições médicas – como a doença de Parkinson ou lesões cerebrais traumáticas – podem apresentar comportamentos agressivos. No entanto, eles não seriam diagnosticados como tendo transtorno explosivo intermitente, pois a causa é de outra condição.

Fatores de Risco

Uma série de fatores aumentam o risco de desenvolver Transtorno Explosivo Intermitente:

História de abuso de substâncias. Pessoas que abusam de drogas ou álcool têm um risco aumentado de Transtorno Explosivo Intermitente.

História de abuso físico. As pessoas que foram abusadas quando crianças ou tiveram múltiplos acontecimentos traumáticos têm um risco aumentado de Transtorno Explosivo Intermitente.

Idade. O início do Transtorno Explosivo Intermitente ocorre mais frequentemente durante a adolescência e na faixa de vinte a trinta anos.

Ser do sexo masculino. Os homens são mais propensos a ter Transtorno Explosivo Intermitente que as mulheres.

Complicações

Pessoas com Transtorno Explosivo Intermitente têm um risco aumentado de:

Auto-flagelação. Quem sofre dessa condição nem sempre direciona sua raiva para os outros. Eles estão em risco significativamente aumentado de ferir a si mesmos, com lesões intencionais ou até mesmo tentativas de suicídio. Aqueles que também apresentam dependência de drogas ou tem um outro transtorno mental grave, como a depressão, estão em maior risco de se machucar.

Prejuízo nas relações interpessoais. Eles são muitas vezes percebidos pelos outros como sendo sempre irritados. Isso pode levar a problemas de relacionamento, divórcio e estresse familiar.

Problemas em casa, no trabalho ou na escola. Outras complicações do Transtorno Explosivo Intermitente podem incluir a perda do emprego, suspensão escolar, acidentes automobilísticos, problemas financeiros ou problemas com a lei.

Se você está preocupado porque você está tendo repetidas explosões emocionais, fale com o seu médico ou marque uma consulta com alguém que se especializa no tratamento de distúrbios emocionais, como um psiquiatra, ou um psicólogo.

O que você pode fazer
Estes passos podem ajudá-lo a tirar o máximo de sua consulta:

Anote os sintomas que você está enfrentando, mesmo aqueles que parecem não ter relação com o motivo pelo qual você agendou a consulta.
Anote informações pessoais importantes, incluindo quaisquer grandes tensões ou mudanças de vida recentes.

Faça uma lista de todos os medicamentos, vitaminas, suplementos ou produtos de ervas que você está tomando.
Anote perguntas a fazer ao seu médico.

Prepare uma lista de perguntas para ter certeza de cobrir tudo o que é importante para você. No caso de Transtorno Explosivo Intermitente, algumas perguntas básicas para o seu médico incluem:

Por que estou tendo estas explosões de raiva?

Eu preciso de todos os testes? Será que estes testes requerem qualquer preparação especial?

Esta condição é temporária ou de longa duração?

Quais são os tratamentos disponíveis, e que você recomenda?

Há efeitos colaterais do tratamento?

Existem alternativas para a abordagem que você está sugerindo?

Eu tenho outros problemas de saúde. Como posso gerenciar melhor essas condições juntas?

Quanto tempo de tratamento para funcionar?

Você tem algum material impresso sobre este tema? Quais sites você recomenda?

Não hesite em fazer perguntas a qualquer momento em que algo não fique claro para você.

O que esperar de seu médico
O seu médico provavelmente vai lhe fazer uma série de perguntas. Esteja pronto para respondê-las , depois você pode se concentrar em pontos que você deseja discutir mais detalhadamente. O seu médico pode perguntar:

Com que frequência você tem episódios explosivos?

O que desencadeia suas explosões?

Você já chegou a ferir ou agredir verbalmente alguém?

Você já danificou propriedade alheia em algum desses episódios?

Você já tentou se machucar?
Tais explosões afetaram negativamente a sua família ou vida profissional?

Alguma coisa parece fazer com com que esses episódios ocorram com mais freqüência?

Você descobriu alguma maneira que parece ajudar a se acalmar?

Tem mais alguém na sua família que já foi diagnosticado com algum tipo de transtorno psiquiátrico?

Você já sofreu um trauma na cabeça?

Testes e Diagnóstico

Para realizar um diagnóstico de Transtorno Explosivo Intermitente e eliminar outras condições que podem estar causando os sintomas, o seu médico deve avaliar:

O seu estado físico. O seu médico vai tentar descartar problemas físicos que podem causar os sintomas. Seu exame pode incluir testes de laboratório.
Avaliação psicológica. Um médico ou um profissional de saúde mental vai falar com você sobre seus sintomas, pensamentos, sentimentos e padrões de comportamento. Você pode ser solicitado a preencher um questionário para ajudar a responder a estas perguntas.

Para obter o diagnóstico correto de Transtorno Explosivo Intermitente, o médico irá perguntar sobre o seu comportamento para ver se você atende aos critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), publicado pela Associação Americana de Psiquiatria, que é o sistema de diagnóstico que melhor dá conta descrever esta condição.

Critérios DSM incluem:

Vários incidentes de falha em resistir a impulsos agressivos que resultaram na destruição deliberada da propriedade ou agressão de outra pessoa.

Um grau de agressividade durante incidentes que é completamente desproporcional ao evento que desencadeou o comportamento.

Episódios agressivos que não são melhor explicados por outro transtorno mental e não são devido aos efeitos de uma droga ou de uma condição médica.

Outras condições que devem ser excluídas antes de fazer um diagnóstico de Transtorno Explosivo Intermitente incluem outros transtornos mentais ou problemas de uso de substâncias.

É muito importante ter certeza de que os sintomas explosivos não se devam a outras condições psiquiátricas, principalmente transtonos de personalidade e transtornos do espectro bipolar

Não há um tratamento que, isoladamente, seja melhor para todos com Transtorno Explosivo Intermitente. O tratamento geralmente inclui psicoterapia e medicação.

Psicoterapia
Sessões de terapia individual ou em grupo podem ser muito úteis. Um linha comumente utilizada é a terapia cognitiva-comportamental. Ela se propõe a judar as pessoas com Transtorno Explosivo Intermitente a identificar quais situações ou comportamentos podem desencadear uma resposta agressiva. E, mais importante ainda, este tipo de terapia ensina as pessoas a controlar a raiva e acontrolar respostas inadequadas usando técnicas como treinamento de relaxamento, a pensar diferente sobre situações (reestruturação cognitiva) e aprender novas habilidades de enfrentamento.

Medicação
Diferentes tipos de medicamentos podem ajudar no tratamento do Transtorno Explosivo Intermitente. Estes medicamentos incluem:

Antidepressivos, tais como a fluoxetina (Prozac) e o escitalopram (Lexapro)
Anticonvulsivantes, como a carbamazepina (Tegretol), oxcarbazepina (Trileptal), fenitoína (Dilantin), topiramato (Topamax) e lamotrigina (Lamictal), e o divalproato (Depakote)
Agentes ansiolíticos da família dos benzodiazepínicos, tais como lorazepam (Lorax) e clonazepam (Rivotril)
Estabilizadores de humor, como o lítio (Carbolitium)

Controlando sua raiva

Se você reconhecer o seu próprio comportamento na descrição do transtorno explosivo intermitente, converse com seu médico sobre as opções de tratamento ou peça um encaminhamento para um profissional de saúde mental. Algumas técnicas que podem fazer parte de seu tratamento incluem:

Desaprender o comportamento disfuncional. Lidar bem com a raiva é um comportamento aprendido. A terapia cognitivo-comportamental ou de gestão irá ajudá-lo a reconhecer o que desencadeia a maneira como você responde a determinados estímulos e a aprender a construir alternativas que trabalham a seu favor, em vez de contra você.
Desenvolver um plano. Trabalhar com o seu médico sobre o desenvolvimento de um plano de ação para quando você sentir que está ficando com raiva. Por exemplo, se acha que pode perder o controle, tente afastar-se daquela situação. Ir para uma caminhada ou chamar um amigo de confiança para tentar se acalmar.
Evite álcool e outras substâncias. Eles podem aumentar a agressividade e o risco de explosões de explosivos.

Prevenção

Se você acredita que possa ter o diagnóstico de Transtorno Explosivo Intermitente, é provável que a a prevenção esteja fora de seu controle, a menos que você começa o tratamento com um profissional. Associadamente , ou como parte de, tratamento, estas sugestões podem ajudar a prevenir alguns incidentes de ficar fora de controle:

Não abandone o seu tratamento. Participe de suas sessões de terapia, pratique suas habilidades de enfrentamento, e se o seu médico receitou medicação, certifique-se de levá-la sempre consigo.

Pratique técnicas de relaxamento. O uso regular de respiração profunda, ou mesmo práticas como yoga podem ajudá-lo a manter a calma.

Desenvolva novas formas de pensar (reestruturação cognitiva). Mude a forma como você pensa acerca de situações frustrantes usando pensamentos racionais, expectativas razoáveis e lógicas. Tudo isso pode melhorar a forma como você vê e reage a eventos estressantes.

Use a resolução de problemas. Faça um plano para encontrar uma maneira de resolver um problema frustrante. Mesmo se você não pode corrigi-lo imediatamente, isso pode ajudá-lo a direcionar sua energia.

Saiba como melhorar sua comunicação. Ouça a mensagem que a outra pessoa está tentando compartilhar, e depois pense em sua melhor resposta ao invés de dizer a primeira coisa que vem à sua cabeça.

Mude o seu ambiente. Quando possível, evitar situações em que você costuma se aborrecer profundamente, pelo menos no início do tratamento. Tente lida melhor com o trabalho e uma de trabalho estressante, isso pode ajudar você a lidar melhor com estresse ou frustração fora do trabalho.

Evite substâncias que alterem seu estado de consciência. Evite o consumo de álcool e outras substâncias.

FONTEPsiquiatria Campinas
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS