O exercício da confiança

 

Todas as vezes que a vida nos desafia com obstáculos e dificuldades, temos a impressão de que fizemos algo errado e nos culpamos por alguma atitude ou, ao contrário, pela falta dela.

Muitas vezes, não se trata de algo que precisamos ou devemos fazer, mas simplesmente de circunstâncias da vida sobre a qual não temos controle.

Nessas ocasiões, a única saída é conectar-se com a energia da confiança e deixar que a existência faça a sua parte. Relaxar e esperar por algum sinal que aponte uma saída, é um dos aprendizados mais difíceis.

Mas não existe outra maneira de se libertar do estado de ansiedade que o desejo de obter algo costuma desencadear. Aprender a confiar significa que você desiste da luta e se entrega, cultiva a receptividade ao que vier.

A intuição costuma ser uma grande aliada nesses momentos, pois é o único guia com que podemos contar. Pena que nem todos confiem em seu mestre interno e se deixem dominar pela insanidade da mente, atirando-se em busca de uma solução imediata.

O resultado, nesse caso, tende a ser desastroso. Quando não somos capazes de respeitar o ritmo da natureza e insistimos em forçar a situação para que ela se amolde ao nosso desejo, corremos o risco de criar ainda mais problemas.

Se você tentou e nada aconteceu, respeite o ritmo natural da vida e espere pelo momento certo para colher os frutos de seu esforço. Não se apresse, pois a semente, quando forçada a germinar, morre sem conhecer a experiência de tornar-se árvore.

Sempre que a mente tentar te levar a ações impulsivas, movidas pelo desespero, procure lembrar-se do ditado que diz: Quem espera, sempre alcança. Basta que aprenda a confiar nos desígnios da existência, pois o tempo dela é diferente daquele desejado pelo ego.

COMPARTILHAR
Elisabeth Cavalcante
FORMADA EM JORNALISMO PELA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, ATUOU DURANTE 20 ANOS EM PUBLICAÇÕES DA ÁREA DE SAÚDE; ASTRÓLOGA, TARÓLOGA, TERAPEUTA FLORAL E COORDENADORA DE MEDITAÇÕES E WORKSHOPS VOLTADOS AO AUTOCONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO ESPIRITUAL. COLUNISTA DO SITE: www.somostodosum.com.br DESDE 2001. e-mail: [email protected]



COMENTÁRIOS