O encontro mais íntimo não é o sexual, e sim despir-se emocionalmente

Resiliência Humana

O encontro mais íntimo entre duas pessoas não é o sexual, mas sim despir-se emocionalmente. Uma troca que acontece quando o medo é vencido e nos entregamos ao outro do jeito que somos, em cada uma das nossas vertentes.

Isso não é fácil de alcançar. De fato, despir-se emocionalmente não é algo que se consiga rapidamente, muito menos com qualquer um. É preciso tempo, força e vontade de ouvir, sentir e abraçar emoções. Autoconhecimento e heteroconhecimento, isto é, o conhecimento de si mesmo e o da realidade do outro.

Visto assim, não parece à toa que o termo que as escrituras bíblicas usam para falar do amor sexual ou do estabelecimento da intimidade seja CONHECER. Este artigo trata de se conhecer e se despir em paixões, em sentimentos e em história emocional…

O ato de despir-se emocionalmente começa em si mesmo

O despir emocional começa por si próprio. Isto é, é muito importante se identificar com o que se sente e perceber como nos sentimos confortáveis ou desconfortáveis, o que pensamos e como podemos usar as nossas emoções a serviço dos nossos pensamentos.

Ouvir-se, conectar-se e conhecer a própria herança emocional, isto é, escanear o nosso corpo emocional, é imprescindível para liberar os próprios medos, conflitos, as próprias inseguranças, conquistas, os próprios aprendizados, etc.

Conhecer a nossa filosofia emocional, explorar as nossas vulnerabilidades permanentes, ser consciente do que é doloroso e deixar que isso flua, é imprescindível para poder contemplar a imagem que o nosso espelho emocional projeta ao tirarmos a vestimenta que nos “cobre”.

O autoconhecimento das nossas vulnerabilidades emocionais não faz que estas desapareçam, mas ter um conhecimento mais profundo sobre elas implica que cada vez que apareçam nas nossas vidas poderemos identificá-las e agir, impedindo-as de afogarem as nossas conexões emocionais.

A nossa herança emocional, a chave para se conectar

A nossa herança emocional exerce um forte impacto em nossa capacidade de nos conectarmos emocionalmente com os outros. É exatamente esta bagagem, esta pele, a que nos faz agir sobre as nossas sensações, sentimentos e emoções de uma determinada forma.

Estar exposto as próprias lembranças e a aquelas sensações que podem ser desagradáveis não é fácil, e muitas vezes nem sequer é visto como útil. Contudo, existem muitos motivos pelos quais recomenda-se tirar as vestimentas:

Se queremos ter relacionamentos mais significativos, é importante parar um pouco para olhar o passado e curar as feridas emocionais da nossa infância.

A fiação condutora que transporta as nossas mensagens emocionais precisa estar descoberta para que as nossas reações não nos dominem. Por exemplo, quando você diz “meu irmão me tira do sério”, você tem a sensação de que ele sabe exatamente onde pegar para afetar você.

Conhecer esses temas de reações emocionais e saber comunicá-las nos ajuda a regenerar os nossos pensamentos e o nosso estado de bem-estar geral.

Assim, quando fazemos um trabalho de autoconhecimento, o nosso diálogo interior pode conseguir mudar de “As pessoas são perigosas para mim” para “A forma como me trataram me fez mal, mas sou consciente e procuro que isso não me afete”.

Quando acessamos nossa herança emocional e compreendemos como os sentimentos do passado influenciam as experiências do presente, podemos ser mais ágeis na hora de estabelecer laços fortes e saudáveis de união com quem nos rodeia.

Ser conscientes dos filtros emocionais, dos abrigos e das couraças que vestimos contribui para nos tornar ágeis leitores e intérpretes tanto das tentativas de conexão dos outros como das nossas próprias.
O encontro mais íntimo é despir-se emocionalmente

Despir emocionalmente as pessoas muito marcadas pelo seu passado pode ser muito difícil, pois é necessário lidar com as couraças, com as roupas que a tornam inacessível, as desilusões que envolvem a pessoa, os medos das rejeição, do abandono, da solidão…

Para fazer isto é preciso ser inteligente, amar a pessoa e abrir os ouvidos, os olhos e a pele banindo os preconceitos e a atitude de julgamento. Isto é, uma escuta ativa emocional através de todos os sentidos sem “mas” nem vírgulas fora do lugar.

Para fazer isto, é preciso saber que um nu emocional não se consegue em qualquer tipo de ambiente, mas é preciso que se deem as condições ideais para gerar emoções, senti-las, manipulá-las, examiná-las e usá-las.

Os cenários emocionais ideais para despir-se emocionalmente são aqueles onde prima a escuta a partir do interior, a empatia e a inteligência emocional. Cenários nos quais se potencializa a comunicação e a compreensão com uma grande base de respeito e tolerância.

Somente assim poderemos criar um ambiente emocionalmente relaxado no qual realmente possa se dar o encontro íntimo, o despir dos medos, das inseguranças e da verdade emocional. Somente assim conseguiremos esses abraços que quebram os medos, que fecham os nossos olhos e que nos entregam 200% de corpo e alma.

FONTEA mente é maravilhosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana

Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia


COMENTÁRIOS