O AMOR NÃO ACABA ASSIM

Marcela Picanco

Anoiteceu em mim quando você me atravessou como se eu fosse um fantasma. Não por não querer me ver, mas por eu não ser mais nada dentro daquilo que você custa chamar de representatividade na vida.

E seu olhar me congela enquanto você pergunta, com um copo de cerveja na mão, na maior tranquilidade se está tudo bem. Eu olho pra você de volta e tenho certeza que dá pra ver meu coração saltando pelo vestido que eu fiquei duas horas pra escolher quando soube que você estaria ali. E mais do que todos os “nãos” e foras que eu já recebi já vida, esse olhar me diz que acabou.

E eu não sei entender as coisas que acabam. Como assim, acabou e pronto? Na natureza nada se perde, tudo se transforma. E o que não deixa o acabar na gente é aquele fio de esperança maldito de que tudo não passou de um mal entendido, de que é tudo uma transformação, não um fim. O amor não acaba assim, como um pote de sorvete que acaba e ainda se quer mais.

Seu olhar de indiferença me atravessa como uma espada fria e eu tenho vontade de te chacoalhar e perguntar onde você está, onde você foi parar? Quem é essa pessoa estranha aí dentro, com tantas certezas que não existiam antes. Saio de perto pra conseguir respirar, mas tenho vontade de sumir, tomar um remédio pra curar essa agonia. Eu não sei por que ainda não inventaram um remédio pra curar amor. Seria tão simples. Desligar essas sinapses que meu cérebro insiste em fazer toda vez que ele te vê atravessando a esquina.

O fim é sempre apavorante porque ele te obriga a olhar pra outros lados, a recomeçar. O fim te tira da zona de conforto sem você pedir. Não tem mais nada ali, amigo. Vai procurar outra coisa, porque insistir em algo que não vai te dar retorno é burrice ou falta de amor.

Virei uns 50 mil shots de cachaça,prometi mundos e fundos pra quem eu não conhecia, me permiti sentir tudo com tanto afinco que acho que me revirei do avesso e resolvi abrir a janela pra vida. Acordei com a cabeça explodindo de dor e um gosto de poeira na boca. Era a primeira parte de você que com começava a virar lembrança.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





Marcela Picanco
Marcela Picanço é atriz, jornalista e gosta de fingir que entende das coisas. É fissurada por pessoas e acredita que nossas histórias são as coisas mais valiosas que temos.

COMENTÁRIOS