Nenhuma criança deveria acreditar que o amor tem condições

Resiliência Humana

Um dos pilares fundamentais de uma educação emocional adequada é que a criança sempre se sinta querida e, acima de tudo, se considere merecedora do amor.

Isso é fundamental, pois as nossas primeiras experiências com o mundo sempre marcam o nosso desenvolvimento emocional que, por sua vez, tece um enorme tecido que conecta a nossa capacidade de sentir e amar com o nosso corpo.

O fato das crianças gostarem ou não de nós não deve ser associado aos nossos comportamentos, palavras, êxitos ou fracassos. Assim, é importante nos desapegarmos de certos costumes se quisermos que as crianças de hoje em dia compreendam que o amor não tem condições.

O amor não se condiciona, ele se dá

A habilidade e o crescimento emocional de uma pessoa dependem de grande parte das suas primeiras mudanças. Por isso, semear o amor determinará a sua capacidade de dar carinho e desenvolver-se de forma saudável.

Se passarmos para uma criança a ideia de que se fizer as coisas bem (o que se entende por bem), iremos amá-la mais, ela entenderá que seu valor pessoal depende dos seus êxitos.

Assim, quando uma criança comete um erro não é de se estranhar que seu mundo caia, pois acredita que conseguirá tudo, uma vez que acabou sendo rotulado como esperto. Mas quando não consegue o que buscava, é porque é um “tonto e um medíocre”.

Dizer dessa forma soa duro, pois na mente de uma criança tudo torna-se mais significativo. Como poderíamos sustentar uma casa com pilares de palha? Qualquer golpe a derrubaria. Nessas condições é impossível construir uma identidade forte e emocionalmente adaptada.

Não podemos dizer para as crianças que se fizerem algo não vamos amá-los mais, não podemos tentar chantageá-las com o amor, o carinho não é uma moeda de troca. Temos que ter em mente que uma criança, acima de tudo, é uma pessoa que algum dia se tornará um adulto e, como tal, se sentirá completo ou demolido. O que é que vamos preferir?

Todas as pessoas são merecedoras do amor pelo que elas são, não pelo que fazem e nem por seus êxitos. Portanto, “comportar-se bem ou cumprir uma norma” não terá como consequência o afeto e muito menos representar uma ameaça.

É importante proteger a infância, cuidar da sua inocência e respeitá-la através do amor. Lembre-se de que as crianças amadas se tornam adultos que sabem amar, respeitar e cuidar.

As consequências de criarmos as crianças em um ambiente em que o amor possui condições

Provavelmente muitos de nós crescemos em um ambiente no qual o amor possuía condições. Muitos outros pagaram as consequências por terem crescido com as mesmas premissas.

Seja qual for o nosso caso, isso gera dificuldade em qualquer etapa das nossas vidas. Portanto, se não forem tratadas, as feridas emocionais do amor com condições terão uma grande repercussão na vida adulta.

Por quê? Porque um adulto supõe que terá um vida emocional equilibrada. Ainda que todos nós saibamos que isso não é assim, não podemos esperar que nos amem sem condições sem que exista a necessidade de “ensinar” ou “reaprender” que o amor é isso e nada mais.

Por fim, esperamos poder confiar que quem diz nos amar quer permanecer ao nosso lado, haja o que houver. O que ocorre é que isso não é tão simples e podem ter nos ensinado a fugir ou a condicionar o nosso afeto e carinho.

Assim, encontramos padrões de amor elusivos que podem resultar em egoísmo. Mas no final, a questão chave é que essas pessoas acreditam que o amor é isso, obter o que é certo e descartar o que não interessa.

Visto dessa forma podemos entender muito melhor que efeito tem a educação emocional nas relações futuras. A chave é nos alimentarmos de amor, pois somente através dele conseguiremos conhecer-nos, ser felizes e desfrutar da magia da vida.

FONTEA mente é maravilhosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS