NÃO SIRVO PARA ESPANAR PÓ

Claudia Dornelles

Aquele que escreve apenas para agradar à torcida age como espanador. Objeto que joga a poeira de um lado para o outro, mas não se decide sobre o que fazer com ela.

Ninguém em sã consciência, numa vida adulta talhada por uma vivência emocional saudável, acorda e dorme, e vice-versa, na mesma frequência. Sempre soprando afagos, beijando pétalas e exalando orações. Trata-se de insanidade ou hipocrisia.

Vivemos num mundo cujas notícias demandam muita atenção daquele que escreve. É tarefa de responsabilidade e respeito a coragem de, vez ou outra, tocar em pontos nevrálgicos.

No meu caso, vez em sempre, haja vista que não vivo em mosteiros e quando quero, de fato, ler algo com autoridade sobre temas como compaixão e paz interior, busco autores realmente dedicados a eles na sua vida prática : Osho e Dalai Lama.

O excesso de açúcar amarga. Por isso não acredito em nada que emane mel sempre.

A fartura de banalidades disfarçada de otimismo subestima a capacidade de avaliação do leitor.

De fato é realmente mais fácil escrever açucarado : basta um “copiar e colar” uns dos outros, mudando algumas frases, sem a menor preocupação com atualização e conteúdo, e pronto, feito mais um texto para publicação.

Contudo, é preferível ter um texto controverso a ser um autor perverso.

COMPARTILHAR


RECOMENDAMOS


Claudia Dornelles
Cláudia Dornelles. Escritora, autora de três livros publicados de crônicas, advogada e administradora da página Alma No Varal.

COMENTÁRIOS