NÃO SE AFOGUE EM PALAVRAS NÃO DITAS, TAMPOUCO NA ENXURRADA DE PALAVRAS INÚTEIS

Enquanto a certas pessoas as palavras parecem teimar em não sair no momento certo, a outras elas conseguem ser expressas muito além do necessário. Tanto quem guarda para si só os dizeres quanto quem fala tudo o que pensa acabam se arrependendo, pois há o que precisa ser dito, mas, da mesma forma, também existe muito a ser calado. Não é fácil expor pontos de vista sem ofender a outrem ou gerar polêmicas, mas necessitamos extravasar o que nos incomoda, ou ruiremos por dentro, agindo sem pensar, explosivamente, quando não mais couber nada dentro de nós.

Para que nos afirmemos como pessoa e não nos deixemos subjugar aos mandos e desmandos alheios, temos que saber expressar tudo o que sentimos e pensamos, ao parceiro, aos amigos, ao patrão, aos filhos. Entretanto, é necessário que ponderemos a carga emocional de que se carregarão nossas palavras, ou possivelmente serão ignoradas ou mal interpretadas. Tudo tem o momento e o tom certos, até mesmo a exposição de nossos pensamentos. Caso o outro não saiba o que somos, estará inclinado a nos usar conforme queira, mesmo que em detrimento de nossa autoestima.

Da mesma forma, dizermos o que pensamos a quem quer que seja, verborragicamente, sem nos preocuparmos com as possíveis consequências de nossas palavras na vida do outro, é nocivo e, na maioria das vezes, inútil. Tom de voz agressivo e postura autoritária, nesses momentos, apenas servirão a que o ouvinte se feche ao entendimento daquilo tudo, mantendo-se imerso numa redoma de autoproteção instintiva, resguardando-se de qualquer compreensão do que lhe tentam dizer. Além disso, poderemos machucar, sem razão, aqueles que mais nos amam, aqueles que mais amamos.

As redes sociais estão repletas de exemplos da palavra inútil, do argumento vazio, da ofensa gratuita. Isso porque é ainda mais difícil refletirmos quando digitamos longe dos interlocutores, ou seja, a censura torna-se mínima, e por isso várias pessoas já se viram em maus lençóis por conta de um post de mau gosto. Tanto no mundo virtual quanto na vida real, portanto, nossas ações e palavras incidem sobre a vida dos outros, sem escapatória. Termos essa noção de que colheremos as consequências do que dissermos nos poupará de inúmeros dissabores e de conflitos desnecessários, inclusive com quem não merece um pingo de nossa atenção.

Embora não seja fácil refletirmos sobre o que dizer ou não, como e a quem, principalmente quando estivermos em meio ao calor das emoções, é extremamente necessário exercitarmos a melhor forma de expressar nossas opiniões, ou não. Temos que equilibrar o falar e o calar, para que não nos sufoquemos com arrependimentos pelo que dissemos ou deixamos de dizer. Devemos, sim, expressar o que sentimos, para conquistarmos nosso lugar no mundo e na vida de alguém; entretanto, em muitas ocasiões, será necessário, como tão bem disse Duvivier, deixar o silêncio doer.

COMPARTILHAR
Prof. Marcel Camargo
Graduado em Letras e Mestre em "História, Filosofia e Educação" pela Unicamp/SP, atua como Supervisor de Ensino e como Professor Universitário e de Educação Básica. É apaixonado por leituras, filmes, músicas, chocolate e pela família.



COMENTÁRIOS