Não é o que fazem a você, é como você se sente…

Gabi Barboza

O que te fazem é problema deles. Mas como você se sente é de responsabilidade sua. As pessoas vão te estressar. Situações ruins vão acontecer.

Você planejar o dia no trabalho e já nas primeiras horas, vai perceber que nada sairá como você precisava. Como você se comporta diante desse quadro? Joga a culpa de tudo em si mesmo? Planejamentos não sairão conforme o esperado; ainda mais se envolverem pessoas.

Alguém vai te criticar e te entristecer, vai ter sempre que te aponte erros e não faça elogios. Amigos vão te magoar. Por estarem em dias ruins, por perderem a confiança, sem querer. Acaba acontecendo mesmo. Cabe a você definir uma forma de lidar com isso.

Familiares vão te decepcionar no momento em que você mais espera por apoio. Alguns vão até te julgar sem saber da história toda. Aquele em quem você confiava, poderá ser o primeiro a fechar as portas pra você.
O desemprego vai bater a sua porta. Você vai descobrir que atualmente tem muita gente assim. As dívidas vão chegar. O seguro-desemprego vai ser menos parcelas que você imaginava.

Vai parecer que o mundo está desabando sobre sua cabeça. E pode estar mesmo. É isso que eu chamo de tempestade. Elas vêm, tiram a nossa paz, bagunçam com tudo. Como você se sente com essa situação: um fracassado ou alguém desafiado a vencer isso também?

Mas depois delas, saímos mais fortes. Mais maduros e experientes. Ou enlouquecemos, desistimos, nos entregamos. O que nos fazem não é de nossa responsabilidade. Como agimos diante disso, sim.

Quem se entrega e desiste não é fraco. Apenas não teve estrutura suficiente para passar pela tempestade. E você, tem? Já parou para pensar que um dia tudo isso vai passar? Tenho certeza que vai.

Mil e uma situações acontecerão. Problemas que você nem imaginava. Coisas que vão te deixar mal ou te farão querer sair correndo. O que te fazem, é responsabilidade de cada um que faz. A culpa não é sua.

Mas se você a trazer pra você, achar que é inútil e etc; só piora as coisas. Entende como a forma em que você se sente faz toda a diferença? Caiu um copo no chão. Você se lamenta e pensa “como sou lerdo”? Ou pensa “ai que chato. Pegar a vassoura a pá, catar isso e enrolar num jornal”.

Viu a diferença? Sair das situações que a vida ou as pessoas te impõe só depende da forma como você se sente e age diante disso.

A forma como você recebe isso e reage, é responsabilidade sua. Unicamente sua! Aquela lei que aprendemos na escola, “pra toda ação, há uma reação” é verdade. Mas você não precisa atirar de volta dez pedras em quem te feriu.

A sua reação depende de você. De como você se permite sentir. Uma crítica sem necessidade no trabalho, por exemplo, pode se transformar em um dia perdido ou em um momento onde o bom humor impera.

Alguém que te feriu, plantou algo ruim. E vai colher isso. Se você a fere de volta, está plantando e também vai colher. Se pelo contrário, você recebe e não interioriza, você é superior.

As contrariedades vão surgir de onde você menos espera. Faz parte do dia a dia. A forma como você se comporta é que vai determinar os seus sentimentos. O seu estado de espírito.

Como serão os seus pensamentos diante dessa situação? Como será o seu comportamento? Como você vai reagir? O que vai fazer? Como você se sente diante disso?

Uma crítica destrutiva no início do dia, mal digerida, será remoída pelo dia todo. Poderá atrapalhar suas atividades. Mas se você ver como algo desnecessário e descartar, pronto. Você salvou o seu dia.

Se ao ver-se desempregado, ao invés de sentir-se fracassado, você pegar algo pra vender de porta em porta. Preparar um currículo. Se candidatar a vagas pela internet. Avisar aos amigos que procura oportunidade em determinada área.
Assistir a palestras da sua área. Cursos gratuitos online. Ocupar a cabeça. Fazer atividades como freelance, você estará tomando atitudes pra vencer isso.

Realmente, a vida não é fácil pra ninguém! Eu que o diga! Mas tudo depende da forma como você age depois que o “teto desaba sobre a sua cabeça”. As pessoas vão te decepcionar. Mas como você vai reagir é o que determina o seu estado psicológico.

E olha, faz toda a diferença, a gente respirar fundo e filtrar o que ouviu. Bom humor é fundamental nas relações humanas. Seja forte diante dos problemas. Veja o que pode aprender com eles. Vença-os!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Gabi Barboza

É graduanda em Psicologia, tem 32 anos. Como o que faz o mundo dela girar, são as pessoas, trabalha com Recursos Humanos. É mineira, bem casada com um Gaúcho lindo. Mora em Porto Alegre desde 2012. Está sempre lendo e ama escrever. Se sente rica, por ter vários livros em uma estante que é o seu tesouro. Ama se engajar em causas sociais, crê que a única coisa que levamos desse mundo, é o que plantamos. E que as boas obras, são fundamentais.


COMENTÁRIOS