NAMORE QUEM TE ACHA O MÁXIMO!

Sílvia Marques

A vida é cheia de pessoas e possibilidades. A vida é altamente criativa e nos leva para os caminhos aparentemente mais inusitados. O que não fazia o menor sentido ontem, pode fazer todo o sentido hoje. O que não passava pela nossa cabeça nem em nossos piores pesadelos, pode se tornar um grande sonho e um grande sonho pode azedar como vinho que vira vinagre.

Lugares indiferentes recebem um significado todo especial e pessoas coadjuvantes pegam o papel principal da noite para o dia. O inverso também acontece e muito. Gente que ocupou o proscênio do nosso coração, deixa o teatro da nossa vida , restando apenas vagas e pálidas lembranças …ou nem isso.

A vida se recicla , se renova e no meio de tantas possibilidades ( algumas oportunidades. Outras , nem tanto) podemos ficar meio confusos de vez em quando ou de vez em sempre.

Pode soar bem óbvio o que vou dizer, mas na prática nem sempre fazemos o que parece tão evidente na teoria: devemos namorar quem nos acha o máximo. Além de achar a pessoa o máximo também…é claro. Amor de uma mão só não vale a pena , não compensa , não aquece nem ilumina o coração.

Amor sem admiração também não cola. Amor sem admiração é um amor desprovido de inteligência . É apenas uma demanda da pele ou fruto de um desespero da alma que se cansou de ser só.

Dependendo de quem nos observa e analisa, somos maravilhosos, inexpressivos ou insuportáveis. Existem limites tênues entre sensualidade e vulgaridade, extroversão e exibicionismo, determinação e teimosia, prudência e covardia , coragem e irresponsabilidade, romantismo e dependência afetiva etc etc etc O que é sensual para uns , pode soar vulgar para outros. O que é extrovertido para uns, pode soar exibicionista para outros e assim por diante.

Então, me respondam: por que namorar alguém que te enxerga como uma pessoa complicada , chata , atrapalhada? Por que não namorar alguém que te acha complexa , profunda e espontânea? Sim, muitos consideram pessoas mais complexas e profundas como complicadas. Muitas pessoas consideram intelectuais como chatos. Muitas pessoas consideram gente mais autêntica , pessoas sem noção. O inverso também acontece. Muitos consideram pessoas mais formais como esnobes ou frias. Muita gente considera pessoas mais práticas como superficiais e o que alguns consideram simplicidade, para outros é desleixo ou falta de profundidade. Quando duas pessoas estão realmente conectadas , até um pum fora de hora pode servir de motivo para uma boa risada.

Temos que buscar o nosso lugar ao sol, o nosso lugar aconchegante no mundo. Temos que buscar o nosso lugar ao sol tanto na carreira como nas relações afetivas. Quando a gente faz o que gosta e convive com quem nos curte e com quem curtimos , a vida flui de forma mais leve. Não é preciso dar tantas explicações. A gente se entende com um olhar , com um sorriso. O tempo junto não passa . Voa. A gente desperta o melhor do outro e o outro desperta o nosso melhor. Viver fica mais bonito e simples. Simples no sentido mais complexo da palavra.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





Sílvia Marques
Viciada em café, chocolate, vinho barato, filmes bizarros e pessoas profundas. Escritora compulsiva, atriz por vício, professora com alma de estudante. O mundo é o meu palco e minha sala de aula , meu laboratório maluco. Degusto novos conhecimentos e degluto vinhos que me deixam insuportavelmente lúcida. Apaixonada por artes em geral, filosofia , psicanálise e tudo que faz a pele da alma se rasgar. Doutora em Comunicação e Semiótica e autora de 7 livros. Entre eles estão "Como fazer uma tese?" ( Editora Avercamp) , "O cinema da paixão: Cultura espanhola nas telas" e "Sociologia da Educação" ( Editora LTC) indicado ao prêmio Jabuti 2013. Sou alguém que realmente odeia móveis fixos.

COMENTÁRIOS