MAIS QUE A MATURIDADE, A MATURIDADE DA MATURIDADE É QUE É O XIS DA QUESTÃO.

Eu & Nós Mariana Viktor & Marco Antonio Beck

“Você tá diferente, amor…”

Mais que a maturidade, a maturidade da maturidade é que é o xis da questão.

 Por Marco Antonio Beck

– O que é que há com você?!

No começo de um relacionamento essa frase nunca é dita. Porque um não conhece o outro ainda, não há ex-pec-ta-ti-vas.

Mas depois, em suaves prestações mensais, a relação vai se constelando, ou seja, vai ganhando contornos meio definitivos, ou seja, entra no piloto automático. Fulana é assim, Beltrano é assado.

A intenção dessa previsibilidade é positiva: precisamos do que é familiar, de certezas, de coisas sabidas sobre nós mesmos, sobre o outro, sobre a vida, mas.

Mas também precisamos de incerteza, do que é imprevisível, de surpresas – também sobre a vida, o outro, nós mesmos…

Digo tudo isso porque no nosso trabalho com casais é muito comum um dos dois mudar na medida em que começa a perceber as convicções sabotadoras que estavam por detrás do seu comportamento habitual… e o outro ter um faniquito.

E aí, não mais que naquele de repente, um dos dois tasca:

– O que é que há com você?!

Porque não esperava.

Ou porque o ritmo da mudança do outro não é o seu.

Ou porque as convicções limitantes de cada um são diferentes e envolvem diferentes respostas, que farão com que cada um se mova numa direção.

Ou porque a recém-descoberta necessidade de mudar vira necessidade de compensar o tempo considerado perdido (e que não foi perdido porque era o exato tempo de cada qual amadurecer a mudança).

É um momento muito delicado.

Porque tem muita coisa acumulada, reprimida. Em relação a si mesmo e em relação aos dois e ao outro. E essas coisas acumuladas, que estavam congeladas há séculos, feito o gelo do Ártico, de repente começam a degelar, romper, estalar, mover-se.

Porque está rolando um aquecimento global no Polo Norte das velhas emoções travadas.

Daí a importância da delicadeza – que na prática significa saber falar, escolher as palavras, saber ouvir, abrir-se de novo para o novo, esquecer o passado, recomeçar, perceber a diferença entre meu ritmo, meu entendimento, e o teu.

E nunca, de modo algum jamais, never, culpar-se, culpar, acusar-se, acusar, afastar-se, afastar, vitimizar-se, vitimizar, cobrar-se, cobrar. Porque esses verbos significam outro jeito de fechar os olhos, voltar atrás, recair, esperar soluções mágicas, desentender o processo.

Mais que a maturidade, a maturidade da maturidade é que é o xis da questão.

Faz sentido?


COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Eu & Nós Mariana Viktor & Marco Antonio Beck

Mariana Viktor

“Quem eu sou e o que tô fazendo neste planeta heavy metal?” Essas perguntas intrigaram a Mariana desde pequena e para achar a resposta ela teve um guru indiano aos 17 anos, deu um tempo trabalhando num navio italiano aos 19 e virou jornalista especializada em comportamento aos 21. Incontáveis cursos e livros depois, sempre em busca daquela resposta, hoje ela é coach formada pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), além de certificada em Kahuna Healing, Angel Messenger, Reiki, Florais de Bach e Eteriatria Quântica pela professora Carina Greco. Especializada em Coaching de Relacionamento, certificada em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard, tem certificação internacional em Thought Field Therapy (TFT), sendo pós-graduanda em Terapia Familiar e coautora do livro Saúde Emocional (Editora Ser+), além de colaboradora do blog da Sociedade Brasileira de Coaching. Durante mais de duas décadas escreveu para as revistas Vida Simples, Galileu, Marie Claire, Bons Fluidos, Educação, Viver Psicologia e Claudia, entre outras. Foi colunista das revistas Viva Saúde, Corpo-a-Corpo e Meu Nenê. Assina a coluna Dica da Mari, na revista Atrevida, e escreve para o site Somos Todos Um (STUM).

Marco Antonio Beck
O Marco nasceu em Porto Alegre num inverno frio barbaridade, tchê! e como todo geminiano apaixonou-se desde cedo pelas palavras e seu poder de iluminar cantinhos escuros dentro da gente, o que é um dos sinônimos de curar. Com 13 anos já era conselheiro dos amigos, com 21 largou tudo para morar numa comunidade rural onde aprendeu a fazer pão e com 25 concluiu o curso de Direito, que ele nunca deveria ter começado. Formado pela Sociedade Brasileira de Coaching (SBC) e pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), é terapeuta, mestre em Reiki e practitioner em Programação Neurolinguística (PNL). Especializado em Emotional Freedom Techniques (EFT) e certificado em Psicologia Positiva pela metodologia do professor Tal Ben-Shahar, de Harvard, é coautor do livro Saúde Emocional (Editora Ser+). Colaborador do blog da Sociedade Brasileira de Coaching, é colunista convidado do Obvious, o maior site colaborativo de cultura em língua portuguesa. Estudou psicologia junguiana, ressignificação quântica, noética e pensamento sistêmico, além de trabalhar como ghost-writer – que é quem coloca em palavras as ideias de muitos autores que você lê. Criou junto com a Mariana o Eu & Nós, primeiro site brasileiro sobre Coaching de Relacionamento.

P.S.: Sem modéstia, somos os primeiros coaches de relacionamento do Brasil a desenvolver uma metodologia própria que, desde 2011, combina o Coaching com abordagens de ressignificação emocional, como Emotional Freedom Techniques (EFT) e Thought Field Therapy (TFT).


COMENTÁRIOS