Lidar com o amor pode ser bem mais simples do que parece…

Creio que uma das maiores dificuldades que temos é saber como agir em determinadas situações quando o tema é amor e relacionamento. Várias perguntas parecem se transformar em flechas, atacando nossa mente sem que consigamos encontrar as respostas.

O que fazer? Demonstro o que sinto ou não? Espero mais um pouco ou tomo uma decisão agora? Mas o que o outro vai pensar se eu disser o que estou sentindo e pensando? E se eu me arrepender depois? E se o outro não sentir o mesmo que eu? E se eu me envolver e sofrer depois?

Enfim, uma infinidade de questionamentos nos assaltam e nos fazem reféns num buraco do qual não sabemos como sair… O desejo fica rondando e a vontade de se relacionar (ou ao menos a de tentar) continuam batendo forte, mas tantas vezes não conseguimos agir, tomar uma atitude… e vamos deixando que a vida aconteça por si só, sem fazermos parte dela…

Bom, em primeiro lugar, vale lembrar que usei o termo “simples” e não “fácil”, no título. Ou seja, minha proposta aqui é sugerir meios de encontrar as suas respostas, mas saiba desde já que encontrá-las não é tudo. Uma vez que você as descobre, terá de aceitar duas verdades fundamentais:
– a primeira é que é IMPOSSÍVEL controlar tudo e todos, como tantas vezes gostaríamos;
– e a segunda é que NADA É PARA SEMPRE. A vida é exatamente o que acontece um dia depois do outro.

Resumindo: não é fácil, é verdade! Mas é preciso que você consiga correr riscos coerentes com suas intenções. Pode não ser fácil, mas também pode ser bem menos complicado do que a gente costuma pensar.

E se agir é um risco, não agir é viver à espera, vendo a vida acontecer… Em determinadas situações, não agir pode até ser exatamente a ação mais inteligente, desde que seja consciente, que seja a sua escolha, a sua opção para este momento.

Sendo assim, vou tentar ser o mais objetiva possível em cada “meio de encontrar a resposta” para as perguntas que citei acima, considerando que são as que mais me fazem e, assim, espero poder ajudar para que cada um consiga encontrar as suas próprias.

O que fazer? 
O que você está com vontade de fazer? Não o que você acha que é certo ou errado, porque podemos partir do princípio de que todo mundo só sente vontade (de verdade, do fundo do coração) de fazer algo que acha que é certo… Então, ao invés de ficar pensando em qualquer outra pergunta, pense somente nesta; primeiro: o que você quer fazer? Qual é o seu verdadeiro desejo neste momento? E ao responder esta pergunta, você saberá o que fazer. Se vai ou não fazer, é uma outra história, que pode até ser decidida depois de encontrar as respostas para as próximas perguntas…
Note: não estou falando de vontades baseadas em sentimentos impulsivos e sem fundamento. Agir tomado de raiva, ciúmes ou desespero é um grande equívoco e muito perigoso. Em momentos assim, o melhor é dormir uma noite, esfriar a cabeça e somente depois pensar no que fazer…

Demonstro o que sinto ou não? 
Se há espaço, por que não demonstrar? Como é que o outro poderá se posicionar se não souber o que você realmente sente? Por quanto tempo mais você prolongará uma situação indefinida por medo de se expor? Pense: não é melhor demonstrar e saber o que o outro realmente quer e se está disposto a tentar algo com você do que ficar fingindo algum outro sentimento e sofrendo por não chegar a nenhuma situação? E não se esqueça: demonstrar o que você sente é a sua atitude, mas não garante qual será a atitude do outro, nunca!

Espero mais um pouco ou tomo uma decisão agora? 
Se você já sabe o que quer, o que mais precisa esperar? Se já conseguiu responder a primeira pergunta para si mesmo, vá em frente. Se não conseguiu, continue se perguntando até saber o que você quer. Quando souber, tome a sua decisão, segure as rédeas de sua vida!

Mas o que o outro vai pensar se eu disser o que estou sentindo e pensando?
Infelizmente, de forma geral, ainda não somos telepáticos. Esta pergunta é absolutamente “sem resposta” até que você pergunte ao outro o que ele pensa e se disponha a ouvir o que ele tem a dizer. Nunca, ninguém poderá saber o que o outro vai pensar ou dizer, por mais que tenha a impressão que sim. Pode até imaginar, mas ter certeza, jamais! Além disso, me parece que tomar uma atitude que diz respeito à sua vida, ao seu coração, ao que você sente nada tem a ver com o que o outro vai pensar ou dizer. Está na hora de assumirmos mais o que a gente quer, sem ficar o tempo todo vinculando nossas escolhas às escolhas do outro. Faça a sua parte, viva a sua vida… e aposte na sua felicidade. Se não der, parta para outra.

E se eu me arrepender depois? 
Assuma o seu arrependimento. Diga que se arrependeu, que não era isso que você queria, que percebeu alguns sentimentos que antes não tinha percebido. Há atalhos e retornos no caminho da vida. Todos nós podemos nos arrepender. Sempre será digno se você tiver agido com boas intenções.

E se o outro não sentir o mesmo que eu? 
É um direito absoluto dele. Cada um sente o que pode sentir, naquele momento. Aceitar o “não” faz parte fundamental do amadurecimento de qualquer pessoa. Entretanto, creio que seja muito melhor saber que o outro não quer do que passar dias, meses e até anos alimentando fantasias, esperando, vivendo de impressões vazias. Porque diante do “não”, você pode tomar novas atitudes e continuar a sua vida.

E se eu me envolver e sofrer depois? 
Por que fugir tanto do inevitável? Sofrer faz parte! Impossível não sofrer. Quem não se envolve também sofre. Quem não demonstra o que sente também sofre. Quem passa a vida se defendendo do amor para não sofrer é ‘lunático’. Sofre mais ainda!!! Ou seja, sofrer é humano, é parte da condição de estar vivo. Então, que ao menos possamos sofrer por boas causas, por nossas próprias escolhas e tentativas. Assim, fica mais justo, mais preenchedor e as chances de ser feliz aumentam consideravelmente.

Por fim, desejo que você perceba que a vida é tanto mais fácil quanto maior for a sua consciência sobre seus próprios desejos e, nesta mesma medida, mais coerente e mais respeitoso consigo mesmo. Porque, afinal, o amor não pode ser bom se você não se respeitar.

VIARosana Braga
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS