Falar de sexo com seu filho. É conveniente falar de sexo com seu filho desde que ele comece a conhecer seu corpo

Resiliência Humana
Mother and son (6-7) sitting on sofa

Mais cedo ou mais tarde seu filho começará a fazer perguntas sobre sexo. Alguns pais mais modernos acreditam que quando chegar o momento, a discussão sobre o tema será fácil, que tudo será uma questão de começar a falar. Tudo parece muito fácil, mas quando chegar a hora da conversa, seguramente na maioria dos casos, parecerá mais complicado, tratando-se de crianças.

Existe algum truque? Claro que sim. O truque é manter-se firme, jamais inventar ou mentir, não evadir-se da pergunta, e não responder mais do que seu filho perguntar. O ideal é falar-lhe de sexo em conta-gotas, ou seja, à medida que sua curiosidade segundo a idade que tenha.

As perguntas das crianças sobre sexo

É conveniente falar de sexo com seu filho desde o momento em que ele começar a conhecer seu corpo e a dar nomes. Para as crianças é muito importante que cada parte do seu corpo tenha um nome e não um apelido. Se fala sobre cabeça é cabeça, de mão é mão, de pênis é pênis, de nádega é nádega e assim por diante. Evite dar outros nomes para que a criança não se sinta confundida. Outra vantagem de falar com os filhos sobre sexo é aumentar a intimidade e a afetividade entre ambos, abrir caminhos para que se possa discutir em casa sobre tudo e dar a segurança ao seu filho para que sempre pense: “vou perguntar pro papai e pra mamãe porque eles sempre me respondem”.

As perguntas que as crianças mais fazem aos pais e algumas sugestões de respostas:

Por que sou diferente de minha irmãzinha?

A partir dos dois anos, e em alguns casos até antes, os meninos e as meninas notarão susa diferenças quando buscarem conhecer seus próprios corpos. Neste caso, o melhor é dizer-lhes que um menino é diferente da menina, e que ele não se preocupe porque todos os homens são diferentes das mulheres. Para um menino pequeno essa resposta é suficientes.

De onde eu nasci?

Esta é uma pergunta que podem fazer os meninos a partir dos quatro anos de idade. Os meninos sabem que as frutas vêm do mercado ou da feira, e os brinquedos das lojas, e por isso querem saber de onde vieram. Neste caso , limite-se a dizer que vieram dos seus pais.

Por que os meninos fazem xixi em pé e as meninas sentadas?

É o mesmo que perguntar o porque dos meninos trocam as fraldas pelas cuecas e as meninas pelas calcinhas. Não há muito o que explicar. Explique o conceito de diferença. Que os meninos e as meninas são diferentes fisicamente e que também se diferem na forma de se vestir. As meninas usam vestido, e os meninos usam mais calças, entre outras coisas.

Como saí de dentro da sua barriga?

Dependendo da idade que tenha a criança, a resposta deve ser dada de uma forma mais ou menos clara. Se o menino é muito pequeno, limite-se a dizer que ele saiu da barriga e nada mais. Mas se com isso a criança não se sente satisfeita e você notar que pode entender porque já é um pouco maior, diga-lhe que ela saiu de um dos três buraquinhos que tem as mulheres. Um é para sair a caquinha, o outro é para urinar, e o outro é para sair o bebê. Com isso, seguramente, a criança se sentirá satisfeita e não te perguntará nada mais.

Mais importante que responder ao seu filho quando surgirem as perguntas sobre a sexualidade, é a atitude que terá ao respondê-las. O tom da voz, a segurança das informações, o fato de estar tranquilo ou não, tudo isso é captado pela criança em forma de informação.

Outro conselho importante, é que no mundo de hoje, devido a mídia, coleguinhas de escola que não possuem os mesmos valores e princípios que o seu filho, o interesse pela sexualidade tem aparecido cada vez mais cedo, e isso confunde a cabecinha da criança, que tem recebido informações que ainda não conseguem compreender. É por isso que os pais devem ser os melhores amigos dos filhos, para que toda dúvida que tiverem, corram para os pais e terão a resposta mais acertada.

FONTEGuia Infantil
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS