EU PENSEI QUE ERA LIBERDADE, MAS NA VERDADE ERA SÓ SOLIDÃO

Vivemos rodeados de diversas pessoas e cercados por muitas coisas. Entretenimento barato há por todo lado. Distrações momentâneas tornaram-se ainda mais desejadas, porque aquilo que é duradouro poucos querem cultivar. Logo, é mais fácil ‘distrair-se’. É menos trabalhoso descartar.Seja o que for, coisas inúteis,lembranças desagradáveis,erros, compromissos, inclusive pessoas.

 
O preocupante é que isso não causa mais tanto espanto assim. E não se preocupe esse não é mais um texto moralista, ou algo do gênero. É apenas uma breve reflexão a respeito dessa era descartável. Geração do ‘tanto faz’, ‘não me importa’ Vive-se o momento do aqui e agora. Porém, a longo prazo os efeitos dessas atitudes podem ter seus efeitos colaterais. Uma ressaca moral é ruim no dia seguinte, mas colecionar essas ‘ressacas’ durante anos é desastroso. Agora você pode não se importar muito com as conseqüências. Chamar isso de simplesmente viver o momento. Viver o momento é bom, e é benéfico, o problema se encontra nos excessos, seja eles quais forem.

 
Sexta a noite é dia de happy hour, sábado é dia oficial de balada, afinal todos esperam alguma coisa de um sábado a noite. Muitos só querem encher a cara ao ponto de esquecer todos os problemas da semana e tudo o mais que há direito. Domingo dia de… Aproveitar, desbravar camas alheias, arriscar algumas aventuras insanas. A pergunta é até quando? Até quando essa mera superficialidade vai bastar. É tão vão tentar preencher o vazio dessa forma. Vivendo de prazeres fugazes, se entregando aos excessos. A razão pode vir na manhã seguinte, entretanto, alguns dias após você se encontra preso nesse ciclo novamente, porque é vicioso, mas ao mesmo tempo é efêmero.

É preciso mais que entender, mas compreender verdadeiramente que noites e mais noites de festas, bebidas, cigarros e sexo casual com pessoas que não significam nada além de um corpo bonito, não irão ser nem de longe suficiente para apagar o vazio. Para preencher o que falta, o que está incompleto.Parece liberdade não é mesmo? Mas se você parar para pensar é uma prisão, uma prisão onde o detento é você e no fim tudo não passa de pura solidão. Isso não vai levar as magoas para longe. Não vão extinguir as frustrações de relacionamentos anteriores, ao contrario só vai te fazer acumular uma grande carga de lixo emocional. E chegar em relacionamentos posteriores que poderiam ser tranquilos, mas serão conturbados,pois é tanto entulho que não haverá espaço para paz, e será muito esforço para aprender a construir laços outra vez. Uma vez que viciado nessa superficialidade onde criar raízes nem se cogita.

 
Tratar as pessoas e os momentos como algo descartável, só facilita para se tornar mais fútil e se lançar nesses excessos, que certamente causaram problemas futuros.E pode ter convicção que será difícil ser inteiro novamente. Eu sei que muito pouco sei, mas decidi que essa vida superficial, obrigada, mas eu não quero. Há momentos que precisamos escolher e isso que muda o amanhã, as escolhas. Para isso é preciso de uma dose de autoconhecimento, uma pitada de coragem, uma colher de determinação e uma xícara de amor próprio. Esse ultimo ingrediente é fundamental para decidir que viver de migalhes de prazeres, atenção, afeto é insuficiente demais.

VIALeticia Moreira
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS