Eu não escolhi a minha depressão: não me julgue, nem me rotule

A depressão é a doença mais incompreendida e sobre a qual se constrói, em muitos casos, um autêntico estigma social. Há quem a considere trivial, quem a relacione com fraqueza ou falta de coragem, quando na verdade ninguém pode compreender as batalhas internas e a coragem necessária apenas para se levantar da cama e abrir uma janela no novo dia.

Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), em 2030 a depressão será a primeira causa de incapacidade no mundo todo e, apesar disso, continua sendo uma das doenças mais difíceis de diagnosticar e que provoca mais sensação de isolamento social e incompreensão no paciente.

Eu não escolhi que o sofrimento entrasse na minha vida, nem a depressão é a etiqueta que me faz menos apto para a vida. Eu luto as minhas batalhas e não desejo a sua compaixão nem a sua indulgência, somente a sua compreensão e um apoio sem julgamento nem censura.

Apesar de sempre ser muito complexo entender quais mecanismos movem as engrenagens emocionais, sociais e neuroquímicas de uma depressão, o que é certo é que uma boa rede social e a qualidade das interações do dia a dia são fatores chave para o tratamento dessa doença.

mulher-lutando-contra-depressão

O estigma social da depressão

Quando uma pessoa recebe o diagnóstico de que sofre de depressão, o seu contexto social mais próximo não sabe como reagir. O colega de trabalho lhe dirá coisas do tipo “fique bem logo”, algum familiar lhe dirá que “você herdou isso da sua mãe“, e poucos, os mais sensatos, olharão no seu rosto e lhe dirão “estou aqui, com você, não vou deixar você cair”.

E se você calçar os meus sapatos e sentir o que eu sinto? O meu mundo está fraturado em pedaços e não sei como reconstruí-lo, perdi o controle de tudo e avanço entre penumbras. Apenas me entenda, apenas hoje, coloque-se no meu lugar…

Se nos perguntarmos agora por que a maioria das pessoas tem tanta dificuldade de se colocar no lugar de outra que passa por depressão, vale lembrar que, em geral, as doenças mentais foram durante muito tempo as grandes incompreendidas, esses estigmas confinados sempre ao terreno do absurdo e do irracional do que era melhor não falar ou, melhor ainda, ocultar.

mulher-lutando-contra-depressão

Razões pelas quais a depressão continua sendo um estigma em muitas ocasiões

Existe uma grande incompreensão sobre o que é a depressão e as suas tipologias. A depressão não é estar triste, nem ser volúvel, nem é coisa só de mulheres, nem apenas afeta os adultos. Ninguém escolhe a sua própria doença…

  • Em alguns casos, é a própria pessoa com depressão que prefere ocultá-la temendo a rejeiçãono seu entorno familiar ou profissional, quando na verdade a única coisa que consegue é intensificar ainda mais o seu estado.
  • Os homens são os que mais demoram a pedir ajuda e receber o diagnóstico. Atualmente a depressão continua sendo associada com “fraqueza“, por isso eles possuem a tendência a desenvolver uma certa culpa e não querem comparecer a centros médicos para falar da sua situação.
  • Às vezes a resposta inicial das pessoas que rodeiam alguém com depressão é boa, mas quando passa o tempo e não há melhorias nem mudanças positivas, elas tendem a responsabilizar a própria pessoa que “não quer se curar”. É uma realidade tão complexa quanto triste.

homem-lutando-contra-depressão

O impacto da rejeição social no cérebro deprimido

Graças a uma pesquisa interessante realizada na Universidade de Michigan (EUA) descobriu-se que quando uma pessoa sem depressão sente rejeição social, o cérebro reage por meio de um sofisticado mecanismo de defesa: secreta um tipo de analgésico natural para minimizar o dano e possibilitar reagir de forma mais ou menos eficaz.

Agora, um cérebro deprimido dará uma resposta muito diferente. Quando percebe a incompreensão do seu entorno ou o comentário inadequado daquele familiar que comenta que “você tem que se animar, a gente não pode estar triste o dia todo”, o seu cérebro, longe de receber dopamina e outros analgésicos, se deprime ainda mais.

Mesmo sabendo que cada um de nós reage de uma forma diferente frente a uma rejeição social, a pessoa com depressão “involui” frente a esse tipo de situação. É preciso, acima de tudo, lhe oferecer um maior número de interações positivas para favorecer melhorias, avanços. Contudo, vejamos agora de que forma devemos tratar, interagir e ajudar uma pessoa com depressão.

mulher-lutando-contra-depressão

  • Entenda que a causa de uma depressão está na forma como o cérebro trabalha e que seu disparador sempre tem a ver com o ritmo de vida, o estresse, as responsabilidades, o medo, a solidão, a incerteza… Empatize com isso, a depressão pode afetar a qualquer um de nós.
  • Apoie a pessoa com depressão. É possível que não queira tomar a medicação, que escolha se trancar no seu quarto em vez de sair para passear, não deixe que fique na penumbra, não permita que se transforme na sua própria doença.
  • Não julgue e não responsabilize a pessoa se você não notar melhoria em alguns meses. A depressão requer tempo, requer uma adequada reestruturação pessoal e cada paciente é um mundo, cada pessoa precisa das suas estratégias. Ajude-a a descobrir as suas, aquilo que pode lhe devolver a esperança. Seja o seu facilitador, seja seu guia nessa batalha onde todos juntos se farão vitoriosos…
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS