Ele sentia falta dela por mais que tivesse sido escolha sua ir embora

Tatielle Katluryn

Ele pensava nela todos os dias e ela nunca saberia disso, porque estava magoado demais para tentar uma reaproximação. Logo ele que se fez de palhaço para fazê-la rir quando ela estava triste e faltou escrever na testa “TROUXA” assim mesmo em maiúsculo para descrever o que significara para ela. Porque ele se sentia usado e isso embrulhava seu estômago porque não havia sido a primeira vez, e se lembrava das palavras de sua mãe que dizia que por ele ter o coração bom seria muito enganado nessa vida. E foi justamente o que aconteceu, mas não imaginava que seria enganado de novo e justamente por ela.

Pois essa menina parecia diferente e por um longo tempo ele teve certeza disso. Ela tinha um jeito especial de tratar os outros, sempre com uma palavra de consolo para entregar como o cara dos panfletos bíblicos, e por isso tinha o hábito de guardar a própria dor para cuidar dos ferimentos alheios, como se ela não tivesse nenhum tipo de dor e sofrimento. E nossa, como ela era sensível! Ele também adorava isso, ela tinha mania de chorar com facilidade e ele achava isso a coisa mais fofa do mundo porque mostrava que ela tinha um coração bom que nem o dele.

Por isso achou que ela não o machucaria porque sabia que ela conhecia bem essa dor, que ela cuidaria dele porque ele a via cuidando dos outros sem cobrar nada em troca, e ele queria tanto ser amado assim, mas não como qualquer um daqueles amigos dela, mas queria ser o homem por quem ela ficaria acordada de madrugada falando bobagens por mensagens e no outro dia acordar já ansiosa para lhe enviar algo. E ele se doou a ela, estava sempre ali disposto para ajuda-la porque cansou de vê-la só ajudando, então com o tempo ela foi se soltando e se deixou acolher. Caramba! Ele ficou tão feliz com aquele sorrisinho bobo na boca quando percebeu que era importante para ela.

Estava tudo indo tão bem, ele até chegou a confessar que tinha dificuldade em se abrir para as pessoas, mas que com ela era diferente e por isso acabou contando metade da sua vida. Deu a ela partes de si que não chegou dar a ninguém mais, por isso fazia de tudo para ser o mais paciente possível e aguentar os dias de mau humor dela, suas crises existências e traumas infantis que voltavam á tona toda hora. Ele suportou o que ela dizia que ninguém aguentava, ele a protegeu quando ela dizia se sentir abandonada, e ele a fez sorrir até a barriga doer quando a via séria demais.

E quando menos esperou estava apaixonado. Logo pela menina que tinha medo de se entregar e que por isso escolheu esperar anos pela pessoa certa. Ele sentia que era ele por quem ela esperou, mesmo que não fosse do jeito que ela sempre sonhou, porque ela gostava de ficar falando do seu Cara Dos Sonhos, mas sabia que ela logo abriria os olhos e saberia que tudo que precisava estava na sua frente. E ele esperou, e ele orou, pois sabia que só Deus para tocar naquele coração gelado e fazê-la sentir algo de novo por alguém. E esperou mais um tanto, orou mais outro tanto, e nada aconteceu.

Á medida que os dias passavam ela só ia até ele para pedir ajuda em alguma coisa e ele logo fazia todo o possível, até tentava botar outro assunto no meio, mas ela o cortava e até ignorava o que ele disse, então ele foi deixando para lá até que resolveu desistir. Mas antes de dizer que desistiria ele chorou uma noite inteira pedindo a Deus alguma luz, alguma resposta, estava perdido demais e não conseguia parar de amar essa menina medrosa que não quer amar ninguém. E no dia seguinte ele sentiu que não era para ser, que sua pessoa certa mandada por Deus seria outra porque essa de agora não se importava em nada com o que ele sentia.

Assim ele foi esfriando, parando de falar com ela, mesmo que a saudade o sufocasse às vezes e ele tinha vontade de ir até a casa dela para lhe dizer umas verdades, daquelas bem duras que doem no coração como facadas. Mas ele ficava onde estava e respirava fundo até a agonia passar. E ela nem para perguntar se havia algo de errado, ela não disse nada, até parecia que estava satisfeita com isso. Assim ele foi ficando com raiva dela, daquele seu cabelo preto, dos seus óculos enormes e a achou até gorda demais para seu gosto. Na verdade, ele estava procurando defeitos para assim deixar de amá-la.

E aos poucos está a esquecendo, nem toda noite sonha com ela, parou de rever suas fotos para matar a saudade, apagou aquela música, muda de rua para não passar em frente á livraria e apagou seu número faz tempo. Chegou até a sair com outra pessoa, só que não deu em nada porque ela não é sua menina medrosa. Ele só queria fugir de si mesmo para não sentir mais nada, não pensar naquele sorriso e querer tê-la nos braços. Mas seu coração está tão ferido que vai deixando assim mesmo, acredita que Deus irá curar tudo que ela causou e logo estará pronto para receber e amar a pessoa certa, e só ora para que ela tenha coragem suficiente para aceitá-lo como ele é e que ele baste para fazê-la feliz.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Tatielle Katluryn

Tatielle Katluryn, florescida em 1996, com sangue Maranhense e coração pertencente ao céu. Sou cristã e estudante, apaixonada por livros do séc. XIX e Astronomia. E Deus me chamou para falar aquilo que Ele quer dizer as pessoas, para levar a paz a corações tão ansiosos quanto o meu. É tão linda a forma que Ele me cuida enquanto me usa para fazer sua vontade e só tenho a agradecer por tamanho amor que me consertou sem eu merecer.


COMENTÁRIOS