Eduardo Marinho – sobre Deus ou espiritualidade.

Resiliência Humana

O planeta Terra, em sua proporção astronômica, é uma poeira cósmica girando em torno de uma estrela anã (o sol), insignificante, na periferia de uma galáxia de cem bilhões de estrelas, quase todas maiores do que o sol, com dezenas, centenas de planetas, cada um com seus satélites, luas a perder a conta, em suas órbitas, estrelas dez, cem, mil vezes maiores que o nosso solzinho, estrela-anã. Imaginar (criar a imagem) destas dimensões exige uma certa concentração e algum senso de espaço. É preciso se projetar na imensidão do espaço universal e preceber a insignificante participação do nosso sistema diante do infinito existir perceptível.


Se levar em conta que essa galáxia espiralada em que existimos (a via láctea) é também uma das mais simples e menores entre os duzentos bilhões (!) de galáxias contadas e catalogadas por inúmeras gerações de astrônomos, algumas com trilhões de estrelas, sóis com seus sistemas planetários, aí se começa a ter noção da nossa insignificância. Dessas dimensões universais, podemos perceber que somos um pequeno grupo de viventes numa poeira cósmica e, a partir daí, assumir o fato de semos uma família planetária em evolução permanente em meio a todo o movimento universal, em mutação eterna. Chega a ser irracional imaginar que só tem vida aqui na Terra e do jeito que conhecemos.

Essa visão toda, a meu ver, serve pra gente deixar de ser besta, primitivo e inseguro e parar de criar divindades que só nos separam, distanciam e criam confronto, e perceber que nossa necessidade maior está entre nós, nas formas de nos relacionarmos, nos valores truncados que nos enfiam goela abaixo, no desenvolvimento da sociedade humana de verdade. Não esse desenvolvimento mentiroso, que só aponta economia e tecnologia, mas o desenvolvimento moral que nos permitiria simplesmente atender a todas as necessidades de todos os seres do planeta, pois condições materiais pra isso já existem, o que não existe é o desenvolvimento moral e de consciência. Enquanto focalizamos deuses imaginários, geralmente machos – generosos e amorosos mas vingativos e cruéis ao mesmo tempo – concepções ridículas (me perdoem os religiosos) que tiveram sua função, a de acalmar o primitivismo humano com castigos e prêmios, dispersamos as nossas possibilidades de construir uma sociedade harmônica, sem tanta miséria e abandono, violência e criminalidade.

É preciso perceber que a espiritualidade se manifesta na conduta, no caráter, no temperamento, no dia a dia, no relacionamento com as pessoas e com os acontecimentos. Nos sentimentos que se produzem, tanto dentro de si como ao seu entorno, nas pessoas com quem se trata. No templo todo mundo é “santo”, devoto, contrito e bajulador do seu deus. Mas a revelação se faz nas atitudes, tolerantes ou intolerantes, amorosas ou raivosas, humildes ou arrogantes, compreensivas ou julgadoras. A crença ou não crença importa menos. O que se acredita pode mudar de uma hora pra outra, conforme circunstâncias da vida, é o que tenho visto por aí. Mas o que se faz é determinante, fez tá feito, a conseqüência tali na frente. “Não importa o que tu pensa, “mo fio”, importa é o que tu faz”. Ouvi isso de uma entidade num terreiro de candomblé, em Salvador, numa festa de Cosme e Damião. Foi uma das coisas mais sábias que já ouvi.

Não preciso acreditar em nada, assumo que não sei e assim fico menos fechado na percepção da realidade. Além do mais, se minha espiritualidade está na matéria, é na matéria que devo exercer e desenvolver minha espiritualidade, não nas projeções pra além da minha capacidade de compreensão, que se demonstram historicamente como fonte de conflitos e disputas, totalmente de acordo com um modelo social que nos estimula conflitos e disputas, uma sociedade altamente competitiva que nos atira intencionalmente uns contra os outros – no interesse egoísta, ambicioso, ávido e perverso de um pequeno grupo de podres de ricos que domina os Estados, os mercados sobretudo os financeiros, as comunicações, o modelo de ensino e tudo o que podem, criando a mentalidade, os valores, os desejos e objetivos de vida. Essa estrutura social depende do comportamento geral, daí a mudança mais premente – e eficiente – ser a mudança interna, a que muda o comportamento.

Se aproxima o momento de dispensar a religiosidade e perceber que ninguém escapa da espiritualidade.

FONTEObservar e Absorver
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS