Deixe para ser frio quando morrer!

Resiliência Humana

Por Cristina Hare

Não finja que não se importa. Não seja indiferente aos sentimentos alheios.

Depois que morrermos ficaremos gelados, por enquanto, dentro de nós bate um coração ansioso por aconchego, carinho e relações afetivas.
A violência começa naquele “bom dia” que você não responde. Naquele perdão que você não concedeu.

Queremos exterminar as bombas, acabar com o terrorismo, impedir as guerras no mundo e nos sentimos impotentes.

Não nos damos conta do quanto podemos influenciar os acontecimentos para que a paz se estabeleça em nosso entorno.

Podemos fazer a nossa parte emanando amor por onde passamos e gerar assim uma corrente positiva para o universo.

Precisamos de muito pouco. Uma mensagem dizendo “Chegou bem?” ou ” Estou torcendo por você! ” pode ser extremamente importante para alguém.

Um elogio, um bom conselho, ou simplesmente parar para ouvir o problema do outro, pode mudar o curso de uma história.

Seja gentil! Sinta-se agente da transformação, ao invés de vítima das circunstâncias.

E não tenha vergonha de dizer “EU TE AMO”.

O amor é um sentimento nobre, não há motivo para calar ou esconder essa energia.

Vamos elogiar de verdade, cumprimentar sinceramente, interessar-nos uns pelos outros.

Vamos agradecer os bons momentos em vez de remoermos as tribulações.

E repito: Vamos dizer EU TE AMO, sem medo de parecer ridículo.

Deixe para ser frio quando morrer!

VIASou tao boa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS