A cura da “síndrome da distração”

Eu, indiscutivelmente, amo a internet, mas sem dúvida ela nos deixou mais distraídos do que nunca.

Eu posso ver isso em mim e em todas as pessoas ao meu redor: usar constantemente notebooks, trocar de abas no navegador, checar coisas no iPhone, enviar um SMS aqui ou um Whatsapp ali… todos nós fazemos isso.

Porém, essa não é uma boa fórmula para de fato fazer as coisas

Nós podemos até nos sentir produtivos enquanto trocamos constantemente entre coisas/pequenas tarefas, constantemente “ocupados”, mas, honestamente, não estamos.

Estamos apenas distraídos.

Uma amiga comentou recentemente comigo sobre um problema: é difícil trabalhar direito e entregando resultados, ou mesmo dar foco em qualquer coisa, com todas as distrações existentes. Na verdade, todos nós temos esse problema.

Todos estamos sofrendo da Síndrome da Distração.

Ela impossibilita que as pessoas estudem antes de uma aula, ou de completar uma tarefa importante ou difícil, ou de criar (ou de ser criativo durante o dia).

E qual a cura?

Aqui vão 7 práticas:

1- Tenha consciência do problema
Perceba o momento em quer você trocar de tarefas, quando é puxado por uma rede social ou qualquer outra distração. Veja sua mente correndo de uma coisa para a próxima. Se você não estiver consciente sobre esse hábito, você nunca o mudará. Essa consciência pode aumentar ao longo de dias ou semanas se você começar a prestar atenção – notará inclusive os momentos em que passou algumas horas sem perceber.

2- Veja suas principais distrações
Para quais coisas/assuntos sua mente tende a correr? O quê exatamente nessas coisas as tornam mais atraentes? De quais medos você está fugindo?

3- Ache uma coisa para dar foco
Talvez você tenha uma longa lista de tarefas, mas você não consegue fazer todas de uma só vez. Escolha apenas uma: algo para estudar, um livro para ler, algo para escrever, uma tarefa mais complexa que você tem adiado. Você sabe que deveria fazer essa tarefa, mas você tem estado distraído demais e a tem adiado. Achar uma ferramenta de controle de tarefas/lembretes pode ajudar, mas não faça dessa busca uma nova distração.

4- Deixe tudo fechado

Feche todos os programas que você não precisa para essa uma tarefa. Feche o computador se você não precisar dele. Senão, feche o navegador (ou pelo menos as abas que não são absolutamente necessárias para essa tarefa). Desligue ou coloque o seu telefone em modo silencioso e o esconda. Tenha só essa tarefa na sua frente.

5- Coloque um times de 20 minutos
Ou de 10, ou 15, se 20 parecer muito longo. Durante esse tempo, você não fará nada a não ser focar nessa uma tarefa escolhida. Sem mudar para outras coisas. Se você finalizar a tarefa antes dos 20 minutos acabarem, você pode puxar outra tarefa pelo restante do tempo, mas não vá para suas distrações.

6- Observe sua mente tentando fugir
Inevitavelmente isso acontecerá. Faz parte da Síndrome da Distração. Será somente você e a sua tarefa, e você tentará fugir. Você tem medo do foco, da dificuldade, do desconforto, da confusão e da incerteza. Isso é normal. Você pode ficar com a tarefa apesar do medo. Esse medo causa sua distração, mas você não deve se render a ele sem agir sobre o seu impulso. Observe-o, deixe ele aumentar e sumir. Fique com a tarefa.

7- Faça um intervalo
Depois que os 20 minutos terminarem, coloque o timer para 10 minutos e faça um merecido intervalo. Se dê permissão de ir até suas distrações. Mas quando o intervalo terminar, vá para a próxima tarefa da sua lista (ou volte para a que você estava antes se não tiver terminado). Essa pausa dará um alívio à sua mente, o que é bastante necessário. Ela só não precisa desse alívio o dia inteiro.

Esse processo, acidentalmente, é uma forma de meditação. Uma meditação bastante produtiva, na verdade.

Ela requer prática. Tente isso hoje, veja onde você titubeia, perdoe-se e tente novamente amanhã. Com a prática, você pode desenvolver o hábito de ter uma mente muito menos distraída.

VIA Leo Babauta por zen rabits
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS