Crianças sabem quando adultos omitem informações

Cientistas do Massachusetts Institute of Technology recentemente estudaram se crianças são capazes de identificar quando um adulto lhes omite uma informação. A resposta pode fazer você pensar duas vezes antes de dizer ao seu sobrinho que “virgem” é um tipo de azeite.

Os cientistas descobriram que crianças confrontadas com informações verdadeiras, porém incompletas, não apenas são capazes de identificar a omissão, mas também completar a informação sozinhas através de exploração e curiosidade. É que descobrir em quem confiar e em quem não confiar é uma habilidade importante para sobrevivência.

“Quando recebemos uma informação de alguém, não aprendemos apenas o que está sendo ensinado, mas também aprendemos coisas sobre o interlocutor. Se a informação for precisa e completa, daí você tem mais chance de confiar naquela pessoa no futuro”, diz Hyown Gweon, do MIT.

Os cientistas também investigaram o que as crianças pensam de adultos que não lhes dão informações completas sobre as coisas. Observando situações em que professores ensinam crianças sobre o uso de alguns brinquedos mas não explicam todas as funções desses brinquedos, os estudiosos descobriram que crianças não capazes de avaliar o caráter de outras pessoas e o quanto elas vão confiar nessas

“As crianças tentam organizar todos os tipos de informação para tomar decisões racionais sobre como aprender sobre o mundo”

pessoas baseados em experiências anteriores de confiança – como por exemplo se o adulto já lhes omitiu informação no passado ou mesmo se passou tempo explicando coisas que as crianças já soubessem.

“Esses estudos são os primeiros passos para entender quão rico é o entendimento de mundo das crianças. Elas tentam organizar todos os tipos de informação para tomar decisões racionais sobre como aprender sobre o mundo, e pra quem perguntar mais informações, ao mesmo tempo sendo consciente do custo do aprendizado, como esforço e tempo”, explica Gweon.

VIAMit News
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS