Correr a vida inteira rejuvenesce

Resiliência Humana

Correr – o que agora se chama running e que em nossas origens paleolíticas era a diferença entre um ser humano vivo e outro morto de fome – nos mantém mais jovens. É o que revela um novo estudo que analisou o consumo de energia do corpo humano durante o exercício como se fosse uma máquina a mais. Seus resultados indicam que pessoas na casa dos 60 e 70 anos, que correram durante décadas regularmente, mantêm uma maior eficiência energética, comparável em alguns casos à de pessoas de 20 anos. No entanto, pessoas dessa mesma idade que caminham frequentemente como forma de exercício não têm um organismo tão eficiente, segundo os autores.


A pesquisa, publicada no site PLoS One, sustenta o que foi dito em muitos estudos sobre medicina e esporte: fazer exercícios aumenta a expectativa de vida, atrasa a chegada da dependência em mais de uma década e pode economizar para os sistemas públicos de saúde dezenas de bilhões de euros com remédios, hospitalizações e tratamentos.

“Se você correr, o risco de morte diminui oito anos comparado com o de pessoas sedentárias da mesma idade”

“Correr mantém você jovem”, diz Rodger Kram, fisiólogo da Universidade de Colorado e um dos autores do estudo. Seu trabalho analisou a eficiência energética de um grupo de pessoas atípicas, como ele mesmo reconhece. São pessoas entre 64 e 74 anos, que correm pelo menos meia hora três vezes por semana há muitos anos, inclusive décadas. São segundo, Kram, herdeiros do chamado jogging boom, uma moda que começou no final dos anos setenta nos EUA e em outros países e que multiplicou o número de corridas populares, maratonas transmitidas pela TV, anúncios de tênis e todo tipo de acessórios esportivos.

O próprio Kram corre há mais de três décadas e estuda seus efeitos sobre o corpo humano a partir do campo científico da biomecânica. Nesse estudo, comparou a eficiência energética desses corredores veteranos com a de pessoas de idade semelhante que caminham regularmente como exercício. Foi pedido que ambos os grupos caminhassem em diferentes velocidades sobre uma esteira ergométrica enquanto se observava seu nível de oxigênio. Os resultados do estudo, que analisou um total de 30 indivíduos, mostraram que os corredores mantêm uma eficiência energética comparável à de uma pessoa sedentária de 20 anos quando caminha. As pessoas que andam regularmente, por outro lado, registraram um consumo energético maior, comparável ao de pessoas sedentárias de sua idade. Os corredores eram entre 7% e 10% mais eficientes que pessoas da mesma idade que andavam.

“Foi uma surpresa que os corredores de nosso estudo caminhassem de forma mais eficiente do que pessoas que andam regularmente como exercício”, afirmou Owen Beck, coautor da pesquisa, em um comunicado à imprensa. “A mensagem final do estudo é que correr regularmente parece atrasar o envelhecimento e permite que pessoas idosas se movimentem mais facilmente, o que melhora sua independência e qualidade de vida”, acrescenta.

A facilidade para caminhar é um indicador “fundamental” de doença e morte. “Se você caminhar menos do que 0,5 metro por segundo [1,8 quilômetros por hora] seu risco de morte aumenta três vezes”, diz Mikel Izquierdo, diretor do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Pública de Navarra. Izquierdo acredita que o estudo de Kram é um pouco “oportunista”, pois se aproveita do crescente interesse que existe em tudo o que é relacionado à corrida para promover benefícios que são reais, mas modestos, avalia. O lado positivo do estudo, reconhece, é que “mostra que correr melhora a economia energética, o que por sua vez facilita que as pessoas possam fazer mais exercício, e este é chave”. “Se você for fisicamente ativo, se corre, seu risco de morte diminui oito anos comparado com o de pessoas sedentárias de sua idade e, acima de tudo, diminui em 12 anos a chegada da dependência por incapacidade”, explica.

Os corredores eram entre 7% e 10% mais eficientes que pessoas da mesma idade que caminhavam”
Por isso, além de ajudar a vender tênis, meias e pulseiras inteligentes, a moda atual do running poderia ter efeitos muito positivos caso deixe de ser uma moda e passe a ser algo mais. “Se podemos manter essa massa crítica do running, spinning ou qualquer outro esporte da moda, haverá pessoas que não apenas vivem mais, mas que serão independentes por muito mais tempo, e isso representa qualidade de vida, economia em remédios, serviços de saúde, atraso da demência e inclusive do Alzheimer etc.”, destaca Izquierdo.

Os ciclistas perdem eficiência

“O estudo é interessante porque mostra que o exercício atenua muito os efeitos do envelhecimento”, destaca Alejandro Lucía, professor de Fisiologia Humana e do Exercício da Universidade Europeia de Madri. Lucía é especialista em efeitos físicos do exercício em pessoas idosas e pacientes com câncer, para os quais a prática de esportes também demonstrou melhora de seu estado de saúde, diz. “Os médicos têm que aprender a prescrever exercício físico”, destaca.

À medida que se envelhece, a capacidade aeróbica vai diminuindo em todos os tipos de pessoas, inclusive nos corredores. A fadiga característica de pessoas idosas acontece porque a curva descendente de sua capacidade aeróbica e a ascendente de seu consumo de energia se encontram, obrigando-as a parar para recuperar o fôlego, afirma Kram. O que o estudo revela é que o consumo de energia em corredores regulares é mais baixo do que o das pessoas que caminham, e se mantém mesmo com o envelhecimento. Esse menor consumo energético permite realizar com menos problemas tarefas como andar.

Os autores do estudo destacam que caminhar como exercício continua sendo muito benéfico, por exemplo, para evitar doenças cardiovasculares. O problema é que a eficiência energética não está entre esses benefícios. Os pesquisadores não conseguiram descobrir por que os corredores são mais eficientes e por que essa eficiência é mantida com o passar dos anos. De fato, estudos anteriores haviam provado justamente o contrário, nesse caso estudando ciclistas e triatletas veteranos. Kram acredita que a resposta possa estar nas mitocôndrias, organelas celulares encarregadas de proporcionar energia. As pessoas que fazem exercício tendem a possuir mais mitocôndrias em suas células e essa pode ser a explicação do que foi observado, embora seja necessário conduzir mais estudos para investigar as causas, diz Kram.

AVÓS LEVANTANDO PESOS
Outros exercícios podem ser igualmente ou mais benéficos do que correr. Em um de seus estudos mais recentes, Izquierdo demonstrou que, graças a um treino de força muscular com máquinas semelhantes às de qualquer academia, pessoas na casa dos 90 anos, com mobilidade limitada e deterioração cognitiva, reduziram significativamente seu risco de quedas e melhoraram sua capacidade para se movimentar, levantar sozinhos e outras funções básicas. Esse estudo também revelava que quatro meses de exercícios de força dão a uma pessoa de 70 anos a mesma capacidade funcional de um indivíduo de 45 anos iniciante nesse tipo de treino.

FONTEEl País
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana

Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia


COMENTÁRIOS