Como o cérebro age quando estamos apaixonados?

Resiliência Humana

Nosso cérebro secreta os hormônios relacionados à paixão e isso nos faz sentir nas nuvens por 5 anos. Mais tarde, nos acostumamos com o seu efeito em nosso organismo.

Embora muitas vezes seja dito que o coração está envolvido quando encontramos nossa “metade da laranja”, o cérebro é o responsável por nos fazer sentir “frio na barriga” e outros sentimentos relacionados ao amor.

Neste artigo, dizemos como a mente age quando nos apaixonamos.

O cérebro também se apaixona

O amor é aquela sensação bonita de “estar nas nuvens”, e esse desejo imperativo de estar perto de uma pessoa especial.

Todas as emoções ligadas a apaixonar-se não são completamente “românticas”, mas vêm do cérebro.

Ou seja, uma vez que a mente produz substâncias químicas diferentes (neurotransmissores e hormônios) para que estejamos em estado de “encantamento”.

Embora, é claro, é muito mais bonito falar sobre corações e borboletas, a verdade é que a ciência agora é responsável por analisar o amor, uma tarefa que antes era dedicada a poetas, compositores e escritores.

Mudanças no sistema nervoso. Não é algo mágico, mas biológico.
Quando nos apaixonamos, não podemos falar normalmente, transpiramos em excesso, temos taquicardias e coramos.
Tudo isso é causado pelas mudanças químicas em nosso interior.
E ainda há mais, pois na fase inicial da paixão, os feromônios enviam sinais olfativos para que a outra pessoa preste atenção em nós.

Quando isso foi alcançado, aumenta a produção de dois hormônios: a adrenalina e a noradrenalina.

Ambos contribuem para nos fazer sentir atraídos e até mesmo meio “bobos”.

O primeiro levanta a pressão sanguínea e acelera as pulsações.
O segundo é responsável pela atração sexual e pelo sentimento de bem-estar que experimentamos quando estamos perto da pessoa amada.
Durante este estágio há também outro hormônio envolvido: a testosterona. Embora esteja relacionada aos homens também são segregadas pelas mulheres (em menor medida).

É como uma espécie de afrodisíaco que é gerado quando sentimos desejo sexual.

O verdadeiro amor, os hormônios e o cérebro

Após os primeiros momentos de loucura, a euforia, e a paixão, aparece o verdadeiro amor. E com isso outros hormônios são produzidos no cérebro.

Um deles é Feniletilamina ou FEA.

Esta anfetamina natural tem efeitos estimulantes e ao mesmo tempo emocionantes, que não nos permitem pensar em nada além da pessoa amada, querer cuidar dela, mimá-la e estar com ela o tempo todo.

Este hormônio altera nossas percepções e, portanto, pensamos que nosso parceiro é perfeito e não possui defeitos.

Também é responsável por desencadear outros neurotransmissores no cérebro. Por exemplo, a dopamina que é responsável pelo prazer e consolidação.

É por isso que muitas vezes é dito que o amor é como uma droga, e que somos viciados em ser amados.

Se, por algum motivo, o relacionamento terminar nesta fase, teremos uma síndrome de abstinência semelhante à de uma pessoa que consome algum tipo de droga (por exemplo, cigarro ou álcool).

Em seguida, outra substância aparece na cena: oxitocina.

Isso nos torna mais carinhosos, afetuosos e expressamos nossos sentimentos através de beijos e carícias.

Não é por acaso que é chamado de “hormônio do amor”, e está relacionado à reprodução, parto e lactação.

Ocorre no hipotálamo e é armazenado na glândula pituitária (que o secreta quando necessário). Quando funciona como neurotransmissor é estimulante e aumenta a excitação sexual.

Quando a oxitocina é armazenada em grandes quantidades, sentimos mais vontade de estar com nossos amados.

Isso desencadeia uma resposta prazerosa no cérebro e atua como uma “recompensa”. Isso nos permite até ver nosso parceiro mais atraente.

O cérebro se apaixona para sempre?

Embora já tenhamos deixado de lado o romantismo, novamente temos que decepcionar um pouco os poetas mais convictos. O amor não dura para sempre.

Na realidade, o cérebro nem sempre secreta hormônios “amorosos” porque não conseguiríamos suportá-lo.

As reações químicas ligadas a apaixonar-se podem continuar aparecendo até os 5 anos de relacionamento.

Após esse tempo, o corpo e a mente se acostumaram a essa “droga” e não têm mais o mesmo efeito que antes (como acontece com certas doses de medicação).

Nesses anos, conhecemos a outra pessoa um pouco mais, a tiramos de seu pedestal e passamos por diferentes situações positivas e negativas.

É então a hora de trabalhar mais a relação, porque o cérebro já não faz isso por nós.

A monotonia e o tédio surgem quando não temos a quantidade de oxitocina ou feniletilamina no corpo.

Mas preste atenção, porque há outro hormônio envolvido: vasopressina, que está relacionada à monogamia e às relações afetivas.

A paixão do começo desapareceu, mas agora a verdade é mantida, realmente bonita e duradoura.

Pode não ser o período mais apaixonado, mas o mais bonito, porque experimentamos respeito, confiança, cumplicidade e harmonia com nosso companheiro.

A partir de agora, o cérebro não produz hormônios, mas nos permite entender o outro e pensar entre as melhores soluções para um relacionamento.

FONTEMelhor com saúde
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana

Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia


COMENTÁRIOS