Ciência confirma: As pessoas que dançam são mais felizes. Saiba porque

“Sem música, a vida seria um erro “, disse o filósofo Nietzsche, e não andar lamentável, porque nós temos um instinto natural que nos encoraja a manter o ritmo com a música. Na verdade, a maioria das crianças se mover e bater palmas quando ouvem uma música que eles gostam é uma resposta espontânea relacionada com a nossa necessidade de comunicar e expressar nossas emoções através do movimento e do corpo.

Não há dúvida de que a música é uma linguagem universal e todos, exceto para as pessoas que sofrem amusia, somos capazes de apreciar e desfrutar. Na verdade, verificou-se que as pessoas de diferentes culturas respondem emocionalmente da mesma forma para diferentes tipos de música. Assim, não é por acaso que os estudos antropológicos indicam que os grupos eram mais propensos a sobreviver eram aqueles que tinham desenvolvido uma dança própria e foram capazes de compartilhar seus sentimentos através da dança.

Claro, música e dança não só agem como cola social, mas também são muito benéficas para a nossa saúde física e mental. Estudos recentes revelaram que uma das chaves para a felicidade e satisfação com a vida é precisamente na pista de dança.

Passos para curar, movimentos que nos faz feliz

Em 2013, psicólogos da Universidade de Örebro trabalhou com um grupo de adolescentes que sofrem de ansiedade, depressão ou stress, além de ter sintomas psicossomáticos, como dor no pescoço e dor nas costas. Metade foram convidados a participar de duas aulas de dança por semana, enquanto o resto continuou sua rotina diária.

Depois de dois anos, que permaneceram freqüentando aulas de dança (no qual a ênfase foi colocada sobre a alegria do movimento ao invés de desempenho), que não só mostrou uma melhoria significativa dos sintomas psicossomáticos, mas também relataram sentir mais feliz.

Em outro estudo com os psicólogos da Universidade de Derby eles trabalharam com pessoas que sofrem de depressão. Durante nove semanas, essas pessoas receberam aulas de salsa. Começaram a apresentar melhoras após quatro semanas e, quando terminou o estudo, os participantes relataram pensamento menos negativo, melhor concentração e uma maior sensação de paz e tranquilidade.

No entanto, a verdade é que a dança não é apenas um recurso terapêutico excelente. Um estudo realizado na Universidade de Deakin revelou que a dança tem um efeito muito positivo na nossa vida diária. Estes pesquisadores australianos entrevistados 1.000 pessoas e descobriu que aqueles que dançaram com frequência não só relataram sentir mais feliz, mas também mais satisfeitos com suas vidas, especialmente em suas relações interpessoais, a sua saúde e as realizações que tinha conseguido ao longo dos anos.

Curiosamente, psicólogos da Universidade de Nova York descobriram um efeito semelhante sobre as crianças. Estes pesquisadores trabalharam com 120 crianças, de 2 a 5 anos, que expostos a diferentes tipos de estímulos sonoros, alguns eram rítmica e imitou o ritmo da música, outros foram completamente arrítmico. Então, foi apreciado que as crianças que movimentaram seguindo os movimentos rítmicos, mostraram emoções mais positivas, elas se sentiram mais felizes. Portanto, esses pesquisadores concluíram que não só têm uma predisposição que nos leva a ir para a batida da música de dança, mas também melhora o nosso humor.

Por que dança nos faz feliz?

Quando dançamos, nossas endorfinas cerebrais são liberadas, alguns neurotransmissores que criam uma sensação de conforto, relaxamento, alegria e capacitação. Música e dança não só no nosso cérebro ativa o motor e circuitos sensoriais, mas também os centros de prazer.

Na verdade, os neurocientistas da Universidade de Columbia dizem que quando estamos em sintonia com o movimento rítmico, os efeitos positivos da música são amplificados. Portanto, um pequeno segredo é sincronizar nossos movimentos com o ritmo e obter “prazer duas vezes.”

No entanto, o fato é que a magia da dança não pode ser simplesmente reduzida a química do cérebro. A dança é também uma atividade social que nos permite conectar com outras pessoas, partilhar experiências e conhecer novas pessoas, o que tem um efeito muito positivo sobre nossa saúde mental.

Como se isso não fosse suficiente, enquanto nos movemos, nossos músculos são alongados ao ritmo da música, o que nos permite liberar as tensões diárias, especialmente aquelas que se acumulam na musculatura mais profunda.

Ainda precisa de mais motivos para dançar?

FONTErinconpsicologia
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS