Carta de uma mãe que trabalha fora para uma mãe em tempo integral. E vice versa.

Resiliência Humana
Mother and son

Uma coisa que me pegou totalmente de surpresa depois que virei mãe é essa “batalha” velada que existe entre mães em tempo integral x mães que trabalham fora. Cansei de ler, ver, ouvir mães que se dedicam exclusivamente aos filhos acharem que são mais mãe que as outras, que optaram por seguirem suas carreiras. E o oposto também é verdadeiro. Não foram poucas as vezes que vi mães que trabalham fora criticando as mães em tempo integral por não terem uma vida própria e viverem só a vida dos filhos.

Sempre achei essa história uma bobagem absurda, afinal, como tudo na vida, as duas situações tem seus prós e contras e, independente do caminho escolhido, na maior parte das vezes, estamos só tentando ser a melhor mãe que podemos ser.

E foi por isso, por essa tristeza e decepção que sinto quando vejo esse embate entre mães, que resolvi traduzir esse ótimo texto extraído do blog The Healty Doctor, da americana Carolyn, médica e mãe de dois filhos.

Esse texto é uma livre tradução feita por mim, então, por isso, convido todas(os) as(os) leitoras(es) a acessarem o blog da Carolyn e conferirem o texto no seu formato original. Vale à pena.

Cara mãe em tempo integral

Algumas pessoas têm questionado o que você faz em casa o dia todo. Eu sei o que você faz. Eu sei porque eu sou mãe e porque, por um tempo, eu fiz isso também.

Eu sei que você faz um trabalho não remunerado, muitas vezes um trabalho ingrato, que começa no momento em que você acorda e nem termina quando você vai dormir. Eu sei que você trabalha aos finais de semana e durante a noite, sem que consiga identificar claramente quando acaba o seu dia ou a sua semana. Eu sei que as recompensas existem, mas nem sempre são muitas.

Eu sei que você raramente tem tempo para uma xícara de chá ou café. Eu sei que sua atenção está sempre dividida e que quase sempre inicia uma tarefa antes de concluir a outra. Eu sei que você, provavelmente, não tem tempo de descansar, mesmo estando em casa, a não ser que tenha somente um filho e que este ainda tire sonecas durante o dia.

Eu sei dos desafios que você tem que encarar diariamente, geralmente sem o apoio do seu companheiro ou de alguém que possa substituí-la. As birras, os acidentes na fase do desfralde, as batalhas travadas para alimentar os filhos, a comida jogada no chão, os lápis de cor na parede, a rivalidade entre irmãos, o bebê que parece nunca parar de chorar. Eu sei como o trabalho parece incessante, como um ciclo sem fim: você compra alimentos, prepara-os, cozinha-os, tenta alimentar seus filhos, limpa o chão, lava os pratos e repete isso de três em três horas.

Eu sei que você fantasia sobre ter uma hora para si mesma para almoçar em paz ou tirar um cochilo à tarde. Eu sei que, às vezes, você se questiona se tudo vale vale à pena mesmo e sente inveja das suas amigas que tem pausas para um café no meio do expediente. Eu sei que, às vezes, quando seu parceiro chega em casa à noite, após um dia de trabalho, ele quer colocar os pés para cima exatamente quando você precisa de um descanso e isso pode levá-lo às lágrimas.

Eu sei que você é mal vista por muitas pessoas que não percebem as dificuldades de se cuidar sozinha de crianças pequenas, o dia todo, e se referem a você como alguém que está curtindo a vida. Eles imaginam que você passa o seu dia tomando café enquanto seus filhos brincam em silêncio. Eu sei que você perdeu a sua independência financeira. Eu sei que você acha engraçado e, muitas vezes, fica irritada quando alguém proclama “TGIF” (Thanks to God It`s Friday – Graças a Deus é Sexta) porque para você todos os dias é a mesma coisa, não há sexta-feira nem pausa alguma no trabalho. Eu sei que muitas pessoas não entendem que você trabalha – você simplesmente trabalhar em uma profissão não remunerada e em casa.

Eu não sei como fazer tudo isso. Eu admiro sua paciência infinita, a sua capacidade de enfrentar cada dia com alegria e levar alegria para a vida de seus filhos mesmo quando eles a desafiam. Admiro a sua dedicação em ser uma presença constante na vida de seus filhos , mesmo que isso nem sempre seja uma tarefa fácil. Admiro a sua maneira de trabalhar sem esperar qualquer recompensa – sem promoções, sem fama, sem salário. Eu sei que você quer que seus filhos sintam-se importantes e amados você faz isso como ninguém.

Eu apenas queria que você soubesse que eu entendo. Nós duas somos mães. E eu sei .


Cara mãe que trabalha fora

Eu sei que, às vezes, você é julgada por deixar seus filhos aos cuidados de outras pessoas para ir trabalhar. Algumas pessoas. inclusive, sugerem que você não ama seus filhos tanto quanto nós, mães em tempo integral, e que é melhor para as crianças ficar em casa com suas mães.

Como eles podem dizer isso de você? Eu sei que você ama seus filhos, tanto quanto qualquer outra mãe. Eu sei que voltar ao trabalho não foi uma decisão fácil. Você pesou os prós e contras, inclusive muito antes de você conceber um bebê. E esta foi uma das decisões mais importantes de sua vida.

Eu vejo você em todos os lugares. Você é a médica que a quem eu levo os meus filhos quando eles estão doentes. Você é a alergologista do meu filho, aquela que diagnosticou a sua alergia a amendoim. Você é a fisioterapeuta que curou o meu marido. Você é a contadora que fez as nossas declarações fiscais. A professora da escola primária do meu filho. A diretora do nosso centro de acolhimento de crianças. Professora de ginástica da minha filha. A corretora imobiliária que vendeu a nossa casa. E que tipo de mundo teríamos se você não estivesse lá por nós? Se você tivesse sucumbido às pressões daqueles que insistiam que lugar de mãe é em casa?

Eu sei que você analisa qualquer proposta de trabalho para ter certeza de que ele não irá prejudicar sua família. Eu sei que você acordar uma hora antes que todo mundo, pois só assim você tem tempo de fazer algum exercício e de ter alguns instantes de silêncio. Eu sei que você já participou de reuniões após ser acordado a noite toda pelo seu bebê. Eu sei que quando você chega em casa, à noite, o “segundo turno” começa. Os críticos não entendem que você cuida da sua família e cuida do seu emprego. Você chega em casa, faz o jantar, dá banho nos seus filhos e lê histórias para eles. Você os coloca na cama e os dá um beijo de boa noite. Você paga as contas, faz as compras do supermercado, cuida da roupa e das refeições assim como qualquer outra mãe faz.

Eu sei que, muitas vezes, você se sente culpada por ficar muito tempo longe dos seus filhos e aí sacrifica o seu tempo livre. Eu sei que você não pode tirar um dia para si enquanto seus filhos estão na creche ou escolinha. Eu sei que você passou a aceitar que o trabalho é o seu ” tempo livre ” agora. Eu sei que, quando você está no trabalho, você não perde um minuto sequer. Eu sei que você almoça na sua mesa, não sai para tomar um café e é totalmente dedicada ao seu trabalho. Afinal, você escolheu estar lá.

Eu sei o quanto você é exigente com relação a quem cuida dos seus filhos e eu sei que você só deixa seus filhos em um lugar no qual você tem certeza de que eles são amados e bem cuidados. Eu sei que você passa muitos dias cuidando de seus filhos em casa quando eles estão doentes e assim sacrifica a sua remuneração. Eu sei que você gosta secretamente destes dias e se realiza em poder estar com seus filhos.

Eu sei que, às vezes, você se sente culpada por não estar lá o tempo, mas saiba que você está dando um exemplo maravilhoso para seus filhos. Você está mostrando a eles que uma mulher pode ter uma carreira, contribuir de alguma forma fora de casa e ainda ser uma mãe amorosa. Você está mostrando a suas filhas que elas podem fazer o que querem fazer de suas vidas. Você está exibindo a força, a resistência, a dedicação, a tenacidade e você faz isso com muita alegria e amor.

Eu apenas queria que você soubesse que eu entendo. Porque nós duas somos mães.

FONTEMacetes de Mãe
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS