BORBOLETAS SEMPRE VOLTAM…

Carla Rocha

Acho que pior do que cercar um coração vazio ou economizar a alma é cercar um coração fechado, ou melhor, um coração cheio da presença de alguém. Cheio de lembranças, cheio de um amor mal resolvido. Um amor mal resolvido é egoísta em sua própria essência.

Quer reviver até a exaustão aquela história. É um amor que sufoca, um amor que destrói e que aprisiona mesmo depois de ter ido embora.

Às vezes as marcas de um relacionamento são feridas tão profundas que levam muito tempo para cicatrizar e cada um tem um tempo para se curar delas.

Só que muita gente não entende que cada um tem um tempo de recuperação e insistem em salvar ou curar a pessoa com atitudes que acham ser o certo, mas acabam só atrapalhando.

Quando uma pessoa está apaixonada (ou pensa que está) ela só pensa em si mesma e no seu sentimento e quando sente que não é correspondido, a primeira reação é culpar o outro sem parar para pensar que cada um tem seus motivos para agir de determinada maneira e de não querer se envolver com alguém em algum momento da vida.

Culpar o outro pode até aliviar um pouco aquela sensação de incapacidade e rejeição, mas a verdade é que apenas você pode determinar como vai se sentir em cada situação, assim como somente você pode determinar a hora certa para sair.

Afinal, quem disse que a pessoa é obrigada a te amar ou que você é obrigado a corresponder ao sentimento ou a expectativa que ela depositou em você? Isso não é amor e sim, prisão. Não entendemos que ninguém quer viver em uma gaiola e por isso vão voar pra longe como borboletas.

Nesse momento, o melhor que você tem a fazer é cuidar do seu jardim para que ele seja um bom lugar para se viver e que mais cedo ou mais tarde elas reapareçam para fazer festa não só no seu estômago, mas para fazer uma bagunça na sua vida inteira. Pois um dia elas voltam, elas sempre voltam.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





Carla Rocha
é Mineira de certidão e paulista de coração. Amante de café, citações e boas histórias. Metade clichê e metade metamorfose ambulante que acredita sempre no melhor das pessoas e acima de tudo no amor que move montanhas e refaz corações partidos.

COMENTÁRIOS