Auto Sabotagem: A pedra no meio do caminho

Você se empenha para um objetivo, mas parece que nada acontece? Por mais que você tenha dedicação e se esforce parece que as situações não mudam?  Por mais que você trabalhe para que seus objetivos ocorram, parece que é difícil prosperar?

Se você disse sim para qualquer uma dessas perguntas, é provável que você esteja sendo vítima de comportamentos autossabotadores e que te impedem de alcançar a felicidade em diversos setores de sua vida.

Mas o que são comportamentos autossabotadores?

Comportamentos autossabotadores, como o próprio nome já diz, são ações que tomamos diariamente em nossa vida que sabotam nossos objetivos, porém estão a nível inconsciente e não percebemos esses comportamentos. Eles estão enraizados em nossas atitudes e modos de operar. Por não nos darmos conta desses comportamentos (pois estão em nosso inconsciente) somos diariamente sabotados por nós mesmos sem perceber.

O pior de tudo é que repetimos esses comportamentos esperando um novo resultado, mas como ter um novo resultado se sempre agimos da mesma forma? Obviamente, esses comportamentos em algum momento de nossa vida funcionaram, por isso o automatizamos. Ou seja, são estratégias que em determinado momento de nossa vida deram certo e agora utilizamos em todas as situações semelhantes.

É o caso de uma pessoa que sempre diante de uma discussão grita e perde o controle emocional. Essa pessoa em vários momentos de sua vida teve que gritar para ser ouvida e utilizou da emoção para que tivesse a atenção. Essa estratégia, por mais que seja primitiva, em algum momento funcionou. Desta forma automatizamos ela, como uma resposta automática para todas as situações semelhantes.

Esse tipo de processo possui suas vantagens, pois gera economia de energia. É como caminhar. Você não pensa em dar seus passos, pois geraria muita concentração e cada caminhada seria desgastante física e psicologicamente. Assim automatizamos esse processo e conseguimos caminhar e falar ao celular (algo que não recomendo quando for atravessar uma rua, por exemplo), conversar com outra pessoa, admirar a loja pela qual passamos, etc.
Entretanto, quando essas estratégias estão automatizadas fica mais difícil modificarmos elas, pois as usamos sem perceber. São esses comportamentos que acabam nos limitando.

Todo comportamento possui uma origem em um pensamento. São nossos pensamentos que geram nossas ações no meio, e são essas ações que geram os resultados que buscamos. Quando negamos esse fato e culpamos outras pessoas ou outras coisas por nossos infortúnios, podemos já identificar o primeiro comportamento sabotador da projeção. Projetamos para fora nossas responsabilidades, atribuindo ao outro a responsabilidade de nossa felicidade.

Existe alguma forma de mudar isso?

A mudança é possível e somente existe com algo bem simples e que todos deveríamos ter em nosso cotidiano. Essa palavra, quando praticada, muda nossa forma de enxergarmos a realidade e, consequentemente, de agirmos nessa realidade. Essa palavra é conscientização.
Precisamos aumentar nosso nível de consciência desses comportamentos, de nossos processos internos, ou seja, nossos pensamentos e emoções geradores de nossos comportamentos.

Fritz Perls, pai da Gestalt terapia, falava que precisamos aumentar nosso nível de awereness, ou seja, de consciência sobre nossos atos, entendendo quais são as emoções e pensamentos por trás dos comportamentos. Assim saímos do processo de automatização, pois levamos esses comportamentos ao nível da consciência.

Portanto, se você não está alcançando algo em sua vida comece a se perguntar quais os comportamentos que você está tendo que hoje o impedem de alcançar seus objetivos? O que você precisa mudar para alcançar aquilo que tanto almeja? Com certeza essas são atitudes mais positivas e que geram mais conscientização e elaboração de novas estratégias para que você não seja mais uma vítima de si mesmo.

Assumir a responsabilidade por nossa vida pode parecer mais difícil, mas com certeza é mais libertador.

VIAEricson Rosa
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS