Amizades tóxicas

Marina Barbieri

Sabe aquela pessoa que se diz sua amiga mas nunca perde uma oportunidade de te por pra baixo desnecessariamente?

Sabe aquela pessoa que dentre milhões de possibilidades para escolher algo para te falar escolhe sempre a que mais vai te alfinetar?

Sabe aquela pessoa que faz questão de te constranger, humilhar e ridicularizar em público?

Sabe aquela pessoa que com comentários discretos sempre deixa a entender que você não é capaz, não é bonito, não é inteligente, não é amado, não é talentoso, não é merecedor?

E você sempre se pega querendo não acreditar que foi de propósito.

“Foi sem querer”, “Ela(e) não fez de propósito”, “É só o jeito dela(e)”, “Não é pessoal”, etc.

Você acha que se falar alguma coisa vai resolver. E não resolve.

Você acha que se ignorar vai passar. E não passa.

Você acha que foi só um dia ruim, uma vez, não vai acontecer de novo. E acontece.

Você acha que se der ainda mais amor para a pessoa, ela retribuirá com amor. E não retribui.

Você acha tanta coisa mas nunca nada adianta.

Deixa eu te falar uma coisa: essa pessoa não é, nunca foi e nem pretende algum dia ser sua amiga.

Não vai mudar. Nunca.

Não adianta o quanto você goste e queira preservar uma amizade que é unilateral.

Não é recíproco e enquanto você insistir em manter essa relação tóxica, você sempre sairá machucado.

E não tem jeito. A melhor – e única – solução é mesmo se afastar.

E não se culpe. A culpa não é sua.

Algumas pessoas só conseguem se sentir no topo quando pisam em outras.

E você calhou de ser a pessoa escolhida no momento.

A regra é uma só: um amigo te põe para cima até mesmo quando te dá bronca.

Se está te botando pra baixo, pode ser qualquer coisa, menos um amigo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Marina Barbieri
Aprendeu a ler antes mesmo de conseguir segurar um livro e descobriu neles o que queria fazer para o resto da vida. Além do blog cuida de 3 gatos e é autora do livro “Fique com alguém que não tenha dúvidas”, lançado pela editora Única.

COMENTÁRIOS