Amigos uma morfina natural contra dor

Bons amigos compartilham não apenas o riso, mas também os maus momentos. São aquelas pessoas que estão do nosso lado quando precisamos dela e nos emprestam seu ombro para chorar. No entanto, agora um novo estudo realizado por psicólogos da Universidade de Oxford sugere que o papel dos amigos é muito mais importante do que pensávamos, porque, na prática, são uma espécie de “analgésico” natural que nos protege de dor. O experimento de “posição desconfortável” Estes pesquisadores recrutaram 101 jovens e pediu-lhes para preencher um questionário sobre suas características de personalidade e as relações sociais, o que não só é indagado sobre o número de amigos, mas também sobre quanto tempo que passaram juntos e com que frequência.

Subsequentemente, estas pessoas foram submetidas a um teste de dor que era para permanecer numa posição desconfortável pelo maior tempo possível. Obviamente, com o passar dos minutos uns participantes começaram a sentir as primeiras dores e então veio a dor. Assim, os pesquisadores descobriram que aqueles que melhor suportaram a dor também foram aqueles que tinham mais amigos. Nosso cérebro está programado para ser social.

Os neurocientistas acreditam que o nosso cérebro é geneticamente programado para ser social. Não poderia ser de outra forma, se os nossos antepassados queriam sobreviver, porque nesse ambiente hostil foi muito difícil para uma pessoa se defender dos perigos que enfrenta.

De acordo com a teoria do apego social, o sistema opióide endógeno é fundamental para estabelecer e manter relações com os outros. Este sistema é responsável por manter a motivação social e desempenha um papel essencial na alocação de interações positivas com outros valores. Em outras palavras, ele garante que valorizamos relações positivas e nos motiva a estabelecer novas ligações. No entanto, endorfina não só nos motiva a relacioná-lo também cria uma sensação de bem-estar e tem uma potente ação analgésica. Além disso, sabe-se que este neuropeptídeo tem um receptor de elevada afinidade opióide.

A estreita relação entre o sistema de opióides e dopaminérgicos é o que torna as relações sociais são recompensados naturalmente. De facto, recentemente, neurocientistas da Universidade da Califórnia descobriram que, quando uma pessoa está fornecido com naltrexona, um fármaco que bloqueia a acção do receptor opióide, interesse diminuído nas relações sociais e a sua satisfação com ele. Foi também notado que em desordens nas quais são relações sociais afectados, tais como o autismo, uma disfunção do sistema opióide endógeno.

Amigos, um remédio para a alma e corpo, Os neurocientistas acreditam que se o sistema opióide garante que são mais sociáveis, seria lógico supor que, se mantivermos uma vida social gratificante, termos muitos amigos e passar tempo de qualidade com eles, se estimular a produção natural de β-endorfina, um analgésico que provou ser muito mais potente do que a morfina fornecido como medicamento. Portanto, certifique-se de criar ao seu redor uma boa rede de apoio social. Tome cuidado com as pessoas que estão expostas a sustentar os seus laços quando você está prestes a cair de um penhasco. Aqueles amigos que irão apoiá-lo e, embora eles estão plenamente conscientes do risco que correm por você. Esse tipo de amigos são o melhor remédio para a alma eo corpo. Nunca deixe ir.

FONTERinconpsicologia
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS