4 pilares essenciais para você aprender e entender o que é resiliência [PARTE 1]

Inicialmente nos anos 60 e 70 a resiliência esteve associada à definição dada pela física. Michael Rutter, um dos pioneiros no estudo da resiliência no campo da Psicologia, ao buscar um termo que melhor explicasse esse atributo nas pessoas recorreu a esse conceito da física que definia materiais resilientes aqueles que tinham a capacidade de sofrer uma forte pressão e em seguida voltar ao seu estado normal sem sofrer grandes defeitos.

No final dos anos 80 vemos que o termo resiliência já estava se descolando dessa ideia original da física e passava a se apresentar como a capacidade de ser flexível diante da adversidade. Nas últimas décadas, ela vem sendo apresentada como uma capacidade de ser flexível ao atribuir significados aos fatos e que pode ser desenvolvida em todo ser humano.

Alguns cientistas, para explicar a resiliência, ligam o conceito a teoria do estresse, ligando-a as habilidades de resolver traumas, recorrendo-se aos mecanismos de fuga que temos. Outros cientistas costumam explicá-la usando a teoria da psicologia positiva e cognitiva, onde apresentam a resiliência como a capacidade de uma pessoa dar significados adequados às suas crenças.

 

 

4 pilares essenciais para você entender o que é resiliência

Agora vamos explicar quais são os conjuntos de crenças que estão diretamente vinculados a resiliência. A resiliência está estruturada sob 8 áreas vitais da vida. As áreas são definidas por meio dos conjuntos de crenças que são aglutinadas quando vamos conhecendo, aprendendo e experimentando os fatos da vida com aqueles que nos cercam. No post de hoje sobre o que é resiliência, nós vamos apresentar 4 dessas áreas que são pilares da resiliência.

 

OTIMISMO PARA A VIDA

A primeira área da vida que está ligada diretamente a resiliência é o OTIMISMO PARA A VIDA. O Otimismo para a Vida é a capacidade que temos de enxergar a vida com esperança, alegria e sonhos. É a maturidade de controlar o destino da vida, mesmo quando o poder de decisão está fora de nossas mãos.

Quando nós elaboramos uma ação envolvendo uma intervenção sobre essa área da vida, nós obtemos grandes mudanças. O otimismo para a vida é uma área enorme e que contém dentro dela várias outras áreas, como por exemplo, a esperança.

A esperança é um fator secundário que está debaixo do guarda-chuva Otimismo para a Vida. Outra crença secundária é o humor, se fala muito que a pessoa para desenvolver resiliência precisa ser humorada. E é verdade, mas quem não tem Otimismo para a Vida bem desenvolvido não consegue viver uma situação com humor.

 

AUTOCONFIANÇA

A segunda área da vida a ser apresentada é a AUTOCONFIANÇA. Essa é a capacidade de ter convicção de ser eficaz nas ações propostas. Se você está pretendendo promover resiliência em uma grande equipe, grupo ou time deve atuar na autoconfiança dessas pessoas e secundariamente na auto eficácia. A auto eficácia permite que a pessoa tenha um resultado positivo, no entanto só é possível quando se tem Autoconfiança.

 

SENTIDO DE VIDA

A terceira área da vida é o SENTIDO DE VIDA. É ter a capacidade de entendimento de um propósito vital de vida. Promove um enriquecimento do valor da vida, fortalecendo e capacitando a pessoa a preservar sua vida ao máximo.

Dentro do Sentido de Vida vem a autorrealização, que existe quando vejo com clareza o sentido da minha vida, a razão do meu viver e como estou em sintonia com aquilo que faço, trabalho, vivo e curto. Outra possibilidade é o sucesso, muito se fala que “resiliência é a superação do obstáculo para se obter o sucesso”. No entanto, não se obtêm sucesso sem o sentido de vida, tanto é verdade que não adianta ganhar na Mega Sena para se ter sucesso. Quando se ganha na Mega Sena é preciso ter um sentido de vida, uma razão de viver.

 

ANÁLISE DO CONTEXTO

A quarta área da vida e que é determinante para o comportamento resiliente é a ANÁLISE DO CONTEXTO. Análise do contexto é a capacidade que a pessoa tem de analisar quais são as pistas e identificar os sinais que estão presentes no ambiente, de fazer a análise adequada dos riscos e dos fatores de proteção.

Dentro da Análise do Contexto está a criatividade. Só é possível ter criatividade quando a pessoa desenvolve a habilidade de ler as pistas e identificar os sinais, perceber precisamente as causas e as implicações dos problemas e conflitos. Assim como o empreendedorismo, se diz que uma pessoa que é resiliente ela empreende.

 

É fundamental ter esse discernimento quando se fala em resiliência, aprendemos isso ao longo de doze anos de pesquisas. A cada pesquisador que chegava com um TCC, um mestrado e depois com os doutorados, fomos percebendo que atuar no conjunto de crenças errado se obtêm uma resiliência instável, se é que podemos chamar de resiliência.

Há outras 4 áreas da vida que são essenciais e principais para a resiliência. Essas quatro áreas você pode conhecer nesse segundo post que preparamos para você aprofundar ainda mais seus conhecimento sobre o que é resiliência!

Esperamos que você tenha gostado e agora, se você tem um tempinho disponível, deixe seu comentário aqui embaixo, dizendo sobre o que pensa sobre esse assunto e dando críticas ou sugestões, assim você irá ajudar a ampliar os nossos pensamentos. Agradecemos sua atenção e até a próxima!

VIA George Barbosa
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS